loader

Plano nacional de formação profissional e do emprego será apresentado amanhã

O plano resulta do que foi alcançado no domínio da formação profissional e do emprego durante os últimos quatro anos e perspectiva as metas e desafios para a disponibilização em tempo oportuno da mão-de-obra qualificada

POR: Domingos Bento

Os resultados alcançados nos domínios da formação profissional e do emprego no período de 2013- 2017 vão ser apresentados oficialmente amanhã, em Luanda, durante a realização do 4º Encontro Nacional, anunciou ontem, ao OPAÍS, o director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MPTSS), Julião Neto. De acordo com o responsável, nos últimos quatro anos o Estado desenvolveu uma série de acções no domínio do emprego e da formação profissional que contribuíram para uma maior disponibilização, em tempo oportuno, de mão-de-obra qualificada, em alinhamento com o Plano Nacional de Formação de Quadros.

No entanto, Julião Neto fez saber que o Plano de Desenvolvimento Nacional (PND) 2018-2022, no âmbito do alinhamento das suas estratégias e especificamente da promoção da empregabilidade, destaca a importância da mão-de-obra nacional qualificada como um dos pressupostos inquestionáveis perante a actual realidade e o futuro. Explicou ser necessário que o Estado e as empresas exerçam um papel fundamental para que os recursos humanos, em termos quantitativos e qualitativos, através dos seus talentos, criatividade e espírito empreendedor, sejam mobilizados e suficientemente motivados para a promoção e dinamização/estimulação da economia nacional.

Porém, os resultados alcançados nos domínios da formação profissional e do emprego no período em referência, segundo o responsável, demonstram aquilo que tem sido feito com vista a uma maior valorização da mão-de- obra nacional. Disse que, nos últimos tempos, os cidadãos nacionais têm vindo a demonstrar que são capazes de corresponder com as políticas de desenvolvimento em curso no país. “As instituições são chamadas a responder a novos desafios nos planos científico, técnico, tecnológico, na gestão eficaz e eficiente do capital humano, bem como na melhoria contínua dos produtos, serviços e processos para o alcance de melhores padrões de inovação e de produtividade, num mercado global altamente competitivo”, defendeu.

A interligação entre a oferta formativa e os operadores

De acordo com Julião Neto, o 4º Encontro Nacional sobre Emprego e Formação Profissional, que terá a duração de dois dias, vai identificar soluções que promovam maior envolvimento dos agentes directos e indirectos desse sistema, quer seja a nível central, provincial, ou local. Esse processo será desenvolvido por via de acções orientadas para o seu financiamento sustentável e o alcance das metas preconizadas no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022 e que permitam uma maior interligação entre a oferta formativa e os operadores do mercado de trabalho. Assim sendo, durante o certame vai-se ainda discutir a promoção do agronegócio como estratégia sustentada para o desenvolvimento das comunidades e geração de emprego. Programas e projectos do emprego e da formação profissional, face ao actual contexto socio-económico, o papel da segurança social no financiamento das políticas activas de emprego e ainda a validação e certificação da competência como mecanismo de profissionalização e valorização da mão-de-obra também serão abordados.

Últimas Notícias