Angola Telecom investe USD 16 milhões na internet sem fio

A empresa de telefonia Angola Telecom disponibilizará, em Setembro, o produto LTE que vai fornecer Internet sem fio, num investimento de USD 16 milhões e relançar a telefonia fixa, anunciou o coordenador da Comissão da Angola Telecom, Eduardo Sebastião

POR: Patrícia de Oliveira

Neste período, o produto LTE em fase experimental vai fornecer Internet sem fio para a rede de telefonia existente no mercado angolano. A empresa também trabalha para o relançamento da telefonia fixa e a Internet de grande capacidade. Eduardo Sebastião referiu que Angola Telecom investiu USD 16 milhões para atender cinco províncias do país, nomeadamente Luanda, Cabinda, Benguela, Huambo e Huíla. “Vamos fornecer equipamentos para residências, concretamente o telefone e o equipamento que poderá ser ligado ao computador ou à rede sem fio para os telemóveis”, realçou.

Acrescentou ainda, que numa primeira fase, serão importados mil equipamentos denominados routers e aparelhos de telefones. Eduardo Sebastião acredita que o relançamento do telefone fixo terá muito mercado, dado o reduzido valor da comunicação e a maior facilidade de interação entre funcionários e patrões nas residências. A empresa vai montar um pacote para o qual o cidadão terá que pagar apenas a Internet e a empresa vai fornecer a telefonia. “Caso numa mesma rede vários utilizadores tiverem a telefonia da rede da Angola Telecom, eles podem falar muitas horas sem custos, enquanto as ligações para outras redes e o exterior sujeitar-se-ão a uma taxa”, explica o coordenador. Em relação aos preços da comunicação, o responsável recordou que o custo da telefonia é tabelado pelo Instituto Angolano das Comunicações (INACOM), que são 10 Kwanzas por Utt. Porém, a política da empresa passa por vender comunicação a preços reduzidos em relação ao que foi estabelecido.

Eduardo Sebastião apontou como foco trabalhar com as empresas e as residências. “Temos uma direcção focada para as empresas, outra para as residências e a última para a venda a grosso”, explica. Acerca da venda a grosso, referiu que a empresa está a trabalhar com diversos parceiros para revender os produtos e trabalha na linha do empreendedorismo com pequenas empresas que vão prestar serviços de Internet ao cidadão, e alcançar um universo grande. Questionado se a empresa vai aderir à telefonia móvel, a resposta foi afirmativa, sublinhando tratar-se de um outro projecto no âmbito da privatização da empresa anunciada pelo Executivo.

A empresa é a maior provedora de serviços de Internet, pelo facto de ser parceiro de um consórcio de cabos submarinos, o SAT 3, e detém 51% de um outro consórcio nacional que é o Angola Cables, tendo condições para fornecer a grosso aos revendedores. Questionado sobre a fraca adesão aos telefones fixos, referiu que as obras de construção civil no país têm provocado constantes cortes na sua rede de cabos. Por esse motivo, a empresa resolveu apostar na Internet sem fio. Além de fornecer este serviço com capacidade maior, também disponibilizará telefones fixos.

O Pais

Deve ver notícias