Calma na Faixa de gaza após cessar-fogo entre israel e hamas

Uma relativa calma reinava neste Sábado (21), na Faixa de gaza, graças ao acordo de cessar-fogo entre israel e o movimento islâmico hamas, que controla o enclave, após uma escalada de violência que matou quatro palestinianos e um soldado israelita na Sexta-feira (20)

Embora Israel não tenha confirmado o acordo de trégua, que entrou em vigor logo após a meia-noite, os intensos ataques israelitas de Sexta-feira, em Gaza, cessaram. Também não houve nenhum novo foguete palestiniano disparado contra Israel, segundo fontes israelitas e palestinianas. O Exército de Israel anunciou, no entanto, que um dos seus tanques atacou na manhã deste Sábado um posto militar do Hamas em resposta a uma tentativa de infiltração em Israel a partir do Norte da Faixa de Gaza.

“Graças aos esforços do Egipto e da ONU, alcançámos um acordo para regressar ao estado anterior de calma entre a ocupação israelita e as facções palestinianas”, declarou um porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum. Na semana passada, após importantes confrontos entre Israel e o Hamas, o movimento islâmico já havia anunciado um cessar-fogo com a mediação egípcia. Na ocasião, Israel também não confirmou o acordo, embora tenha cessado os seus ataques. Segundo a rádio pública israelita, o silêncio de Israel é expli
cado pelo desejo do Governo de não dar a impressão de que está a negociar com o Hamas, considerado uma organização “terrorista”.

Outro funcionário do Hamas que preferiu não se identificar disse à AFP, neste Sábado, que o novo acordo inclui “a cessação de qualquer forma de escalada militar”, como ataques aéreos israelitas ou foguetes do Hamas. Esta fonte explicou que o cessar-fogo não inclui as pipas e balões incendiários lançados de Gaza para o território israelita, que nas últimas semanas queimaram mais de 2.600 hectares.