loader

Mãe pede ajuda para a filha que sofre de polineuropatia

A jovem Ana Cristina Henriques Donato, de 18 anos, padece de polineuropatia, uma doença cujo tratamento para a cura definitiva apenas é feito fora do nosso país. A mãe clama por apoio, dado o alto custo da viagem, alojamento, entre outros aspectos

Texto de: Maria Teixeira

Margarida Donato, mãe de Ana Donato, conta que a doença foi descoberta quando a filha tinha apenas quatro anos. Desde então, Ana passou a participar em sessões de fisioterapia, para além das várias consultas médicas, que não resultaram em nada, já que o quadro continua o mesmo.

A Polineuropatia é um distúrbio neurológico que ocorre quando simultaneamente muitos nervos periféricos começam a não funcionar correctamente. Pode ser aguda e aparecer sem nenhum aviso, ou pode ser crónica, e se desenvolver gradualmente ao longo do tempo.

No caso de Ana, perdeu as forças dos membros inferiores ficando impossibilitada de andar. Apesar dos esforços feitos pelos pais, Ana vive com este problema há mais de 10 anos, algo que preocupa a família.

“Ela começou a cair sozinha, aos quatro anos, sempre que brincava com as outras crianças. Desde então, eu e o pai, nunca desistimos e recorremos sempre no sentido de procurar solução do problema para a nossa pequena voltar a caminhar como as outras pessoas”, afirmou.

Por causa da doença recorreram ao Hospital Militar e ao Centro de Reabilitação Física, onde até agora a jovem recebe tratamento, mas, por falta de condições de que ela precisa, ainda não há resultados.

Ainda assim, tem feito consultas de neurologia no Hospital Maria Pia, desde há dois anos, na esperança de dias melhores.

Ana Cristina sente muitas dores em todas as partes do corpo, uma situação que terá levado os pais a pensar que se tratava de Tuberculose Óssea, mas as consultas mostraram tratar-se de uma outra patologia. Só este ano, no mês de Março, Ana Cristina ficou internada durante 10 dias, por causa de uma pulmonia que ainda não passou. Ela continua a sentir dores enquanto tosse e tem dificuldades de respirar.

Muitas são as noites em que os pais têm de acordar para ajudar a jovem a virar-se, porque sozinha não consegue. Segundo a mãe, os médicos não têm certeza das reais causas da doença e apenas pedem que tenham paciência.

“Os médicos dizem que a doença tem um tratamento prolongado e tem consultas que só são feitas fora do país. Neste momento estamos a fazer fisioterapia física, respiratória e ocupacional no Centro de Reabilitação Física, onde ela escreve e faz desenhos, mas nós precisamos de ajuda para continuar o tratamento fora do país, para ter cura definitiva”, clama a mãe.

Deixou de trabalhar para cuidar da filha

Margarida Lourenço Vunge Donato é mãe de quatro filhos, sendo Ana Cristina a primeira. Deixou de trabalhar há muito tempo para cuidar da primogénita que necessita de cuidados especiais. Mesmo com todas as dificuldades, Ana Cristina está sempre sorridente. Ela reconhece as pessoas que a rodeiam e demonstra alegria. Tem uma vida de luta que a mãe espera conseguir ultrapassar com a ajuda de pessoas de boa-fé que venham ajudar a continuar o tratamento fora do país.

Segundo o relatório médico da Junta Nacional de Saúde, de 2016, a que OPAÍS teve acesso, trata-se de uma paciente seguida em consulta externa de neurologia, desde 2009, por um quadro de dificuldades de deambular, de se manter em pé por muito tempo e dificuldades de se levantar enquanto sentada ou deitada. Tem tido também quedas bruscas ao caminhar. Segundo a mãe de Ana Cristina, na família não há antecedentes de tal patologia, algo que a inquieta ainda mais.

Saiba um pouco sobre a Polineuropatia

A Polineuropatia surge quando acontecem danos graves em vários nervos periféricos, que levam a informação desde o cérebro e medula espinhal até ao resto do corpo, causando sintomas como fraqueza, formigamento e dor persistente.

Embora esta doença afecte frequentemente os pés e mãos, pode afectar todo o corpo e, normalmente, acontece como uma complicação da diabetes, exposição a substâncias tóxicas ou infecções, por exemplo.

Últimas Notícias