loader

Um passo importante

Ontem, em Luanda, o vice- presidente da República, Bornito de Sousa, conversou com representantes de sindicatos angolanos.

POR: José Kaliengue

Este gesto tem um alcance muito maior que aquilo que se pode pensar se não o analisarmos como deve ser. Os sindicalistas falaram com a segunda figura do Executivo e do Estado. Não tenho memória de a “concertação social” em Angola ter sido assumida a tão alto nível. Claro que não se tratou de uma reunião de concertação social propriamente dita, não se negociou o que quer que fosse, mas deu para abordar os principais problemas dos trabalhadores, a capacidade do Executivo de os resolver e, sobretudo, colocar alguma calma no vendaval de greves que se estava a formar em Angola. Vamos ver quanto tempo durará tal calma. O importante, porém, é que os dois lados percebam em que situação está o país e como poderão cooperar para a alterar. Não é em vão que os sindicatos são vistos como parceiros do Governo, e não oponentes. Os sindicatos podem e devem participar nas políticas e nos esforços de desenvolvimento, muitas vezes levando os trabalhadores a consentir sacrifícios em nome do emprego e do equilíbrio social. Basta que haja respeito, sensibilidade e seriedade do lado do patronato e do Governo. Se na sala da reunião se tiver respirado tudo isso, então Bornito de Sousa pode ter começado a resolver aquilo que ameaça ser a maior dor de cabeça para o Executivo: uma avalanche de greves… é que a vida não está fácil e os trabalhadores não são os culpados.

Últimas Notícias