loader

Filhos de Angola estreia “O Kakila: O Segredo da Lagoa” no FESTECA

A peça, com duração de 45 minutos, apresentada por 12 actores, conta a história de dois reis que lutam por um mesmo um trono. No final, concluise que Kakila, sendo jovem e pelo facto de trabalhar sob orientação dos espíritos, deve reinar

Texto de: Antónia Gonçalo

O grupo teatral Filhos de Angola, proveniente da província de Malanje estreiou, Terça-feira, 25, no Festival Internacional do Cazenga (FESTECA), a peça “O Kakila: O segredo da lagoa” no Centro de Animação Artística do Cazenga (ANIM’ART), em Luanda. A peça narra a disputa de dois reis pelo mesmo trono. No final, conclui-se que Kakila, sendo jovem e pelo facto de trabalhar sob orientação dos espíritos dos seus antepassados, abrem-lhe o caminho. Deve reinar.

O encenador do grupo, Amado Paciência, realçou que a montagem da peça teve a duração de seis meses, sob a condução do encenador Aguinaldo, membro do FESTECA e da Globo Dikulu. “Estamos felizes porque fomos bem aplaudidos pelo público.

Viemos com muita força e preparados para participar no evento, e as espectativas foram superadas”, sublinhou. Está é a segunda participação do dr grupo no festival, que decorre entre 19 e 29 do corrente mês, sendo que a primeira teve lugar em 2009. Amado Paciência referiu que de lá pra cá grandes mudanças ocorreram, como a participação de grupos estrangeiros, o que segundo ele, permite um maior intercâmbio cultural.

“Há mais formação, workshops, montagem de peças, um facto que comprova o seu crescimento. O mesmo permite aos grupos obter uma vasta experiência e trilhar outros horizontes”, sublinhou. Outras actividades O responsável do grupo anunciou, para Agosto, a estréia da peça “O Kakila: O Segredo da Lagoa”. Amado Paciência declarou ainda que em Setembro o grupo vai participar no festival cultural denominado “Setembro em Malanje acontece”, em alusão ao mês do Herói Nacional, António Agostinho Neto.

O festival promovido pela Globo Dikulu em Malanje, além de teatro, será preenchido com poesia, prosa, espectáculos de rua, feira do livro, um campeonato de Futsal e um concurso de Miss Intercolegial. Amado Paciência frisou que as peças teatrais, além de serem apresentadas nas salas de teatro, serão ainda levadas às penitenciárias. “Nesses espaços, queremos brindar aos cidadãos com peças teatrais, para animá-los e mostrar que a vida não acaba alí”, apontou.

O grupo vai ainda participar no Workshop sobre “Expressão corporal, técnicas teatrais e dicção”, que decorrerá de Novembro a Dezembro, igualmente promovido pela Globo Dikulu, em Malanje. O encenador do grupo disse ainda que o grupo beneficiou de uma formação com encenadores franceses, em Janeiro, no âmbito da parceria existente com a Globo Dikulu.

Teatro em Malanje Amado Paciência referiu que desde que começou a fazer teatro, há 12 anos, o número de grupos teatrais na província tem gradualmente crescido, sendo que actualmente existem 46 grupos, 16 dos quais muito engajados na promoção das artes cénicas na província.

“As artes cénicas na nossa província crescem gradualmente, devido a algumas dificuldades relacionadas com os apoios, para que possamos mostrar com mais frequência a nossa arte”, considerou.

O grupo

O grupo teatral Filhos de Angola foi fundado em Novembro 2006, na escola Amílcar Cabral, durante uma actividade da JMPLA, em alusão ao dia do herói nacional e é integrado, actualmente, por 12 actores.

O colectivo já participou em vários eventos, tais como o Festival de Teatro em Malanje, em 2004, no de Benguela, em 2010. Em 2016 participou ainda num espectáculo teatral no Uíge. Em 2011, esse conjunto criou o grupo carnavalesco de adultos denominado União Filhos de Angola, que competiu pela primeira vez no carnaval em Malanje, e conquistou o quarto lugar.

Em 2012, criou o grupo teatral infantil que tem participado em várias actividades ao nível nacional. No seu reportório constam acima de 15 peças, como “Tio Matoso Mbaco”, “Lágrimas de Mãe”, “Lágrimas nos Momentos Difíceis”, “Biografia de Agostinho Neto”, “Céus e A Njinga”.

Últimas Notícias