loader

Aposta em laboratórios credibiliza produção nacional

A criação de infra-estruturas, como laboratórios de certificação e acreditação dos produtos e serviços, vai permitir a competitividade e aceitação dos bens produzidos no país, no mercado regional da SADC e internacional declarou o ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Frederico Cardoso.

O ministro falava na abertura do workshop sobre “Apresentação da Proposta da Política Nacional da Qualidade”. O governante afirmou igualmente que a materialização desta política, cuja proposta está em discussão, visa o desenvolvimento de um comércio internacional cada vez mais globalizado e competitivo, e assegurar o desenvolvimento sustentável , a rentabilização do Estado, bem como do investimento privado. Referiu que o sistema nacional da qualidade congrega os sub-sistemas de normalização, de meteorologia e de acreditação que procura dar resposta pronta e eficaz às expectativas dos consumidores dos produtos, processos ou serviços.

“O sistema angolano da qualidade criado há 16 anos, não tem conseguido dar resposta cabal ao desenvolvimento económico e social do país. Ainda persistem os problemas como a burocracia no seu funcionamento, pouca articulação entre os distintos intervenientes e ausência de uma política nacional da qualidade”, apontou. A ministra da Indústria, Bernarda Martins, disse que o workshop visa lançar a consulta pública sobre a Política Nacional da normalização e qualidade que orienta actividade dos serviços desenvolvidos no país.

É uma actividade que abrange todos os sectores de produção e serviços, e a intenção de diversificação da economia nacional deve ter em conta a qualidade dos produtos para promover a competitividade. Nesta altura em que se fala em melhoria da qualidade dos bens produzidos no país, apenas dois organismos de certificação foram acreditados pelo Instituto Angolano de Acreditação (IAC).

Últimas Notícias