loader

Reflexões sobre a “Kizomba” encerram Sábado no Sequele

Dez Cidadãos de vários países estão desde o passado dia 21, a participar num Workshop Internacional de Kizomba, que encerra este Sábado, 28, na Centralidade do Sequele, em Cacuaco

Texto de: Valquiria Martins

Sob o lema “Mergulho na Raiz”, o Espaço Aplausos, naquela localidade, acolhe cidadãos provenientes da Polónia, República Democrátic a do,Congo,. Estados Unidos da América, Suíça, Ilhas Maurícias, França e Espanha que escalaram o país para conhecer por dentro os meandros da dança Kizomba, cuja finalidade é que seja apresentada como candidata a Património Mundial da Humanidade.

Este estilo de dança e música de origem nacional, tem vindo a suscitar interesse de vários cidadãos pelo mundo fora, razão pela qual este grupo de interessados decidiu chegar às raízes para “beber” das profundezas deste género musical, cuja génese está no músico Eduardo Paím.

Por isso mesmo, durante a abertura do evento, o criador da Kizomba, o conhecido “General Kambuengo”, que manteve contacto directo com os participantes no Workshop, considerou valiosa a oportunidade e o interesse de estrangeiros por este género de dança, bem como a perspectiva desse “movimento” artístico vir a ser registado como sendo de matriz angolana.

Por outro lado, Mário Jordão, uma dos organizadores do evento, condr siderou que os encontros têm sido proveitosos, na medida em que há interesse por parte de estrangeiros pela Kizomba, daí que têm-se focado em temas bastante pertinentes, o que está a suscitar o interesse por parte daqueles cidadãos em promover a abertura de escolas de Kizomba nos seus países.

Conferências

Vários temas têm sido debatidos, com ênfase para o “Comportamento ético do dançarino da Kizomba”, “Postura” e “Passos da Kizomba”, incluíndo matérias ligadas ao potencial turístico de Angola, permitido assim que os estrangeiros compreendam melhor a verdadeira história da dança. Entretanto, à margem dos debates e das sessões de intercâmbio feitos sobre a Kizomba e o Semba, os visitantes aproveitam a estadia para visitar e conhecer alguns pontos de interesse histórico-cultural e turístico da cidade capital.

Além de aulas teóricas, os participantes têm também recebido conhecimentos práticos, permitindolhes assim ensaiar e absorver várias técnicas de coreografia, sob orientação dos professores Sakaneno João de Deus, Neto e Dina, e os resultados serão exibidos na cerimónia de encerramento no local.

“Os estilos Kizomba e Semba fora de Angola, cada dia que passa, têm conquistado um espaço considerável, um facto que incentiva a valorização desta dança. E se não tomarmos as devidas precauções, um dia eles poderão difundí-la como sendo deles e não nossa”, alertou Mário Jordão.

Oportunidades

Mário Jordão é um cidadão angolano radicado em França, há três anos. Antes da partida, sagrou-se vencedor do concurso nacional de Kizomba e Semba em 2015. Lá abriu uma escola de dança, que além de promover e ensinar o estilo, é o seu “ganha-pão”.

“Com este título tive a oportunidade de viajar em digressão internacional na Europa, com objectivo de partilhar, mostrar, representar, defender os valores culturais e o património nacional de todo o povo angolano e lá fiquei” Mário Jordão sempre teve paixão pela dança, tendo dado os primeiros passos em 2009, na cidade de Luanda, mais propriamente na escola Kandengues Unidos, no bairro Mártires do Kifangondo.

Foi nessa escola em que, além da Kizomba, “atreveu-se” a experimentar outros estilos clássicos, desde a Valsa, a Rumba e a Salsa. Em 2013, em Portugal, a sua companheira Laury Esmeralda foi 3ª classificada na Competição Mundial de Dança Africana.

Essa grande oportunidade, e pela paixão que nutria pela dança Kizomba e da música Semba, alimentou-se da cultura angolana, tendo em 2014, na cidade de Paris, fundado a escola “Esmeralda Company Kizomba School” (ECKS). Sendo o objectivo dessa cidadã divulgar as danças de Angola de forma fiel às suas origens, realizou a primeira viagem ao país da “Palanca Negra”, em Abril do mesmo ano.

Últimas Notícias