loader

“Festival Caixa Fado” regressa apenas com concerto em Luanda

Depois de no ano passado se terrealizado o primeiro concerto do género em Benguela, este ano o “Festival Caixa Fado” regressa novamente em Outubro, mas apenas com um concerto na capital

POR: Jorge Fernandes

O Cine Atlântico é o palco escolhido para acolher a 4ª edição do “Festival Caixa Fado”, concerto que acontece a 4 de Outubro, às 21 horas, informou a organização do evento esta Quinta-feira, em conferência de imprensa realizada em Luanda. A falta de condições logísticas está na base do adiamento, apontou a organização do evento, embora a primeira edição realizada nas terras das “Acácias Rubras” tivesse sido um sucesso. Desta feita, o cartaz desta edição em Luanda será preenchido com os artistas angolanos Afrikkanitha, Anabela Aya e C4 Pedro e pelos portugueses Carminho, Marcos Rodrigues, Paulo de Carvalho e Paulo Bragança. O Festival Caixa Fado tem-se evidenciado como uma oportunidade de fusão entre músicos angolanos e portugueses, com estilos e ritmos diferentes. Uma fusão à primeira vista improvável, que resultou numa relação harmoniosa e feliz e que se vem constituindo como apanágio do Festival Caixa Fado.

Expectativas

A cantora Anabela Aya, que participa pela segunda vez consecutiva no evento, mostrou-se bastante expectante quanto a mais uma realização do Festival Caixa Fado, tendo reconhecido que a sua participação resultou numa maior projecção da sua carreira. “Apenas somei depois de ter passado pelo Festival. As expectativas são altas e uma vez mais estou preparada para este desafio, e, acima de tudo, uma experiência que fica para a vida”, salientou a cantora, visivelmente entusiasta pelo sucesso do espectáculo. Por sua vez, Afrikkanitha, que está no país a gozar férias, também se mostrou optimista quanto ao evento, embora não sendo a sua área de conforto (Fado), mas é um estilo que aprecia imenso, daí que será um desafio bastante grande pois, cantou esse género português apenas aos 10 anos de idade.

Protagonistas

Com uma carreira de 15 anos como actriz, Anabela Aya enveredou para o mundo da música há cerca de dois anos. Num percurso de rápida ascensão, a cantora tem despertado a curiosidade da crítica angolana. É considerada como uma das vozes mais promissoras da nova geração de intérpretes do universo Afro-Jazz. Este ano publicou o seu primeiro album de originais “Kuameleli”.

Afrikkanitha

Ascendeu à ribalata no então grupo N’Sex Love, em que ficou conhecida como Eunice José. Tempos depois seguiu a carreira a solo, mergulhando para outros géneros musicais, com destaque para o Jazz, Afro-beat, Funk, Afro-jazz e outros estilos de matriz africana. A residir nos Estados Unidos da América, Afrikkanitha, este ano criou um projecto intemporal que visa interpretar clássicos nacionais, em que conta com as participações de Katyliana e Anabela Aya. Tem publicado os álbuns “Weza”, “Salmos de David” e “Ainda Sonho”.

C4 Pedro

Proveniente de uma família de músicos, com destaque para o seu pai Pedro Lisboa Santos, do qual é homónimo. Não é muito conhecido a cantar Fado, mas tem um histórico de intérprete que viaja para vários estilos musicais. De certeza será uma grande oportunidade para mostrar a sua versatilidade neste género português que é Património Imaterial da Humanidade.

Carminho

É a grande voz do fado e uma das artistas portuguesas com maior projecção internacional de sempre. Nasceu no meio das guitarras e das vozes do fado, filha da conceituada fadista Teresa Siqueira, estreou-se a cantar em público aos doze anos, no Coliseu. O Fado esteve sempre tão presente que nunca pensou que pudesse ser a sua profissão. Durante a faculdade cantava em casas de Fado, foram várias as propostas para gravar mas decidiu esperar.

Marco Rodrigues

Vencedor da Grande Noite do Fado, em 1999, e do Prémio Revelação Amália Rodrigues, em 2007, ao longo de mais de década e meia de carreira o fado de Marco Rodrigues já viajou pelo seu país e pelo mundo, com concertos em Londres, no Royal Festival Hall, com Mariza, ou no HSBC, em São Paulo, com Maria Gadu. Estreou-se nos discos em 2006, com «Fados da Tristeza Alegre ».

Paulo Bragança

Voz singular da cultura popular portuguesa, Paulo Bragança volta à cidade de Ary dos Santos, Carlos do Carmo, e daí parte para os seus santuários biográficos, onde, à cabeça nos surgem os nomes de Yale Evelev e David Byrne, patronos da editora Luaka Bop, que, em 1995, colocou na rota internacional o disco Amai.

Últimas Notícias