loader

Fábrica vai produzir 3 milhões de tijolos até Dezembro

Apesar da fraca adesão por parte dos clientes, a Sociatal espera produzir, até ao final do ano, um total de 3 milhões de tijolos, deu a conhecer o director geral, António Ribeiro

POR: Patrícia de Oliveira

Há seis anos no mercado, a fábrica de tijolos Sociatal tem como principais clientes empresas de construção. No entanto, tem sido efectada pela crise, que não poupou os seus principais clientes. Como consequência, a produção baixou para 30 mil tijolos por dia, o que representa 80% da capacidade instalada. Segundo o responsável da unidade fabril, a procura do tijolo no mercado nacional reduziu, tendo em conta a crise económica que o país regista. Até ao final do ano, espera-se produzir mais de 3 milhões de tijolos.

Segundo António Ribeiro, as vendas reduziram por falta de capacidade dos clientes para aquisição do produto. Por outro lado, o abrandamento das obras de construção ao nível do país afectaram o negócio dos tijolos. Outro motivo que faz baixar o rendimento, segundo António Ribeiro, é a oscilação do preço dos blocos quando é comercializado. “Tivemos de reduzir a produção de tijolos, porque há pouca procura, tendo em conta a situação económica que o país vive”, explica. Com uma linha de produção, a Sociatal funciona em regime de turnos e os tipos de tijolos mais solicitados são os de 11 e de 15, utilizados em paredes exteriores, divisórias e construções de interiores.

No que toca às dificuldades, António Ribeiro aponta a falta de combustível e gás, elementos fundamentais para manter a fábrica em funcionamento. O responsável lembrou que a crise económica fez com que muitas indústrias tijoleiras, na zona de Bom Jesus, município de Icolo e Bengo, província de Luanda, encerrassem as portas por falta de matéria-prima e equipamentos para manter a produção. “Tive o conhecimento que três fábricas de tijolo deixaram de produzir por falta de divisas. Neste momento existem apenas três em funcionamento. No passado já tivemos sete unidades fabris de tijolos”, recordou.

Últimas Notícias