UNITA defende maior valorização das datas históricas nacionais

O deputado da UNITA Alcides Sakala disse, ontem, em Luanda, que o 23 de Março, instituído como Dia da Libertação da África Austral e aprovado pela Assembleia Nacional como Feriado Nacional, é uma data “tendenciosa e falaciosa e não corresponde com à verdade”

POR: Neusa Felipe

O político falava em declarações a OPAÍS no âmbito da aprovação da Lei dos Feriados Nacionais e Datas de Celebração Nacional que ocorreu na última Quinta-feira, na 3ª Reunião Plenária Extraordinária da Assembleia Nacional. A referida Plenária instituiu o 23 de Março (Dia da Libertação da África Austral) como feriado racional e o 15 de Janeiro (Dia do Antigo Combatente e Veterano da Pátria) como data de celebração nacional sem suspensão de actividade laboral, com votos contra das quatro formações políticas da Oposição.

Alcides Sakala referiu que as datas nacionais têm de ser de consenso, pelo facto de Angola estar numa fase de transição, depois de longos anos de conflito. Afirmou que as datas aprovadas foram simplesmente aprovadas pelo MPLA, o que “contraria o espírito de reconciliação nacional”. “As datas actuais aprovadas são da responsabilidade do MPLA, a sociedade não se revê, de forma geral, nestas datas, porque não são de consenso. Isto do 23 de Março, o MPLA está a querer branquear a sua própria história”, disse, Sakala. Afirmou que não há na SADC nenhuma data que representa efectivamente o dia da libertação da África Austral. Disse haver uma certa “presunção que coloca mal o Executivo angolano e o próprio MPLA na fotografia”, visto que os outros países da região não têm a referida data.

O responsável defendeu a valorização das datas mais importantes que ligam os angolanos a Luta de Libertação Nacional. “As datas que eles já têm vindo a comemorar e que foram consagrando como parte do programa do MPLA é que foram elevadas, o que não é bom, porque os interesses partidários não podem sobrepor- se aos interesses nacionais”, avançou. A votação da lei que altera a Lei dos Feriados Nacionais e Datas de Celebração Nacional passou pelo Plenário e, segundo o porta-voz da UNITA, já não há nada que se possa fazer para mudar a situação, “salvo se os grupos parlamentares da Oposição quiserem retomar outra vez o assunto”,disse.