loader

Criadores angolanos em performance na “FNB Joburg Art Fair” da África do Sul

Quatro artistas angolanos entram em cena na 11ª Edição da “FNB Joburg Art Fair”, que decorrerá em Joanesburgo (África do Sul).

Trata-se de Ana Silva, Cristiano Mangovo, Januário Jano e Nelo Teixeira, que representarão o país na mostra que decorrerá de 6 a 9 de Setembro de 2018, no Centro de Convenções de Sandton, com curadoria da sul-africana Amy Ellenbogen. Segundo uma nota a que OPAÍS teve acesso, os quatro artistas angolanos vão apresentar trabalhos inéditos, criados especificamente para esta mostra nesse país do Sul do continente “berço”. Ana Silva vai exibir seis obras numa linha técnica mista de rendas, bordados, tecidos e tinta-da-china sobre acetato e uma instalação.

Por seu lado, Nelo Teixeira criou quatro obras em acrílico sobre papel plástico reciclado, com rebordo em tecido. Por sua vez, Januário Jano irá apresentar um trabalho em técnica mista, tecido, desenho e impressão fotográfica sobre tecido, ao passo que Cristiano Mangovo criou três novas obras em acrílico sobre tela. Para a edição de 2018 foram seleccionadas mais de 45 galerias de 14 países (de África, Europa e Estados Unidos), com uma representação particularmente marcante do continente africano, integrando expositores de Angola, Etiópia, Gana, Moçambique, Namíbia, Nigéria, África do Sul, Uganda e Zimbabwe.

Nomeações

Na edição 2018 da “FNB Joburg Art Fair”, os artistas Ana Silva e Cristiano Mangovo estão nomeados para o prémio “Novo Artista Africano Mais Influente” (Africa’s Most Influential New Artistic Talent), cujas votações deverão ser feitas no website da feira no mês de Agosto.

Programação

As dinâmicas especiais da feira incluem uma série curatorial de Projectos Especiais, um Programa VIP que vai receber diversos curadores internacionais e directores de instituições, como Tate Modern, Bienal de Veneza, Centre Pompidou e Performa, além de um Programa de Palestras que convida figuras do mundo da arte, filósofos e críticos para os painéis de debate. A FNB Joburg Art Fair também assinalará a oitava edição do FNB Art Prize – uma oportunidade para um artista realizar um novo trabalho durante a feira. Sónia Ribeiro, fundadora e directora da This Is Not A White Cube, acrescenta: “O trabalho dos criadores angolanos começa a ganhar um espaço próprio no panorama artístico internacional. Já são vários os exemplos de artistas contemporâneos que mostram e são convidados a levar os seus trabalhos a alguns dos mais importantes espaços de divulgação de arte, um pouco por todo o mundo”, apontou.

A mostra

A “FNB Joburg Art Fair” é a principal feira de arte no continente africano e assume um papel crucial no apoio e promoção da arte contemporânea de África e a sua diáspora. A mostra constitui um espaço privilegiado de encontro para as principais galerias internacionais, artistas, incluindo coleccionadores, críticos, estudiosos e amantes de arte, que se reúnem no evento para reforçar a divulgação e o investimento na arte contemporânea africana.

Os artistas

Ana Silva Nascida em Luanda, mas a viver entre Luanda e Lisboa, frequentou o curso superior de Desenho e Pintura do ARCO, em Lisboa. Participou em diversas colectivas de artistas, nomeadamente, no Museu de História Natural e no Museu da América em Madrid, bem como no Palácio Ribamar em Lisboa, Galeria do Banco Económico em Luanda e em diversas galerias portuguesas e angolanas.

Cristiano Mangovo Com a sua criatividade, faz o exercício de equilíbrio de viver as suas contradições pessoais numa sociedade em constante transformação e o questionamento dessa mesma sociedade. Desenvolvimento e evolução não são forçosamente sinónimos, mas não se contradizem.

Januário Jano Artista visual, natural de Luanda, vive e trabalha entre Luanda, Londres e Lisboa. Em 2005, o artista terminou a sua graduação na Universidade Metropolitana de Londres, Inglaterra, e desde então está envolvido em projectos de pesquisa que têm sido o cerne do seu labor artístico.

Nelo Teixeira Interessado na transformação e reinvenção de resíduos e detritos (lixo) os responsáveis devem pagar até às últimas consequências para dar-lhes uma nova utilidade, através da descontextualização do objecto e da possibilidade de restaurar um sentimento, uma ideia, construir uma história, chamar a atenção para uma situação, Nelo Teixeira é um luandense que se fez artista nas oficinas da UNAP (União Nacional de Artistas Plásticos).

Últimas Notícias