UA prossegue investigação sobre assédio sexual na organização

A comissão de inquérito criada em Junho passado pelo presidente da Comissão da União Africana (CUA), Moussa Faki Mahamat, para investigar sobre alegações de assédio sexual entre membros do seu pessoal “continua o seu trabalho”.

A comissão de inquérito foi criada a pedido dos Estados membros da UA e foi-lhe dado um prazo para concluir o seu relatório a ser apresentado até Setembro de 2018, indica uma nota da CUA. A nota refere que a investigação está a ser conduzida “de forma transparente e independente”, e que os seus resultados e recomendações serão públicos. A comissão de inquérito é integrada por Bineta Diop, enviada especial para as Mulheres, Paz e Segurança; Lucy Asuagbor, membro da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos e relatora especial sobre os Direitos da Mulher em África; e Tujilane Rose Chizumila, juíza do Tribunal Africano dos Direitos Humanos e dos Povos. A comissão está encarregada de analisar a questão global do assédio sexual na CUA.