loader

África do Sul inicia investigação sobre corrupção no Governo

Uma comissão de inquérito sobre alegações de corrupção generalizada no seio do Governo por altos funcionários, incluindo o ex-Presidente da República, Jacob Zuma, iniciou Segunda-feira as suas audiências, em Joanesburgo.

A comissão, presidida pelo vice-presidente do Tribunal Supremo, Raymond Zondo, foi mandatada para ouvir os antigos e actuais membros do Governo, após o explosivo relatório de 2016 da Protectora Pública Thuli Madonsela, que implicou Zuma e várias outras personalidades políticas em actos de corrupção generalizada no seio de entidades estatais, incluindo a transportadora aérea South African Airways e a empresa de energia Eskom. Zuma é acusado de usar a sua influência para garantir múltiplos contratos governamentais lucrativos em benefício da rica família indiana Gupta, bem como para o seu próprio filho, Duduzane, que trabalhava na empresa desta família indiana.

O ex-vice-ministro das Finanças, Mcebisi Jonas, e Vytjie Mentor, um responsável do Congresso Nacional Africano (ANC, no poder), afirmaram todos que lhes foram oferecidos cargos ministeriais pela família Gupta. Além disso, o antigo directorgeral do Sistema de Comunicação e Informação do Governo, Themba Maseko, afirmou que Zuma chamou- o pessoalmente para pedir que ajudasse os Guptas, que queriam que a publicidade do Governo fosse canalizada a um jornal de sua propriedade. O escândalo fez desmoronar a administração Zuma e ajudou a catapultar Cyril Ramaphosa ao poder numa transição política limpa, no ano passado. Zuma foi solicitado a apresentar provas pessoalmente no inquérito e resta saber se ele comparecerá. As audiências devem durar entre três a seis semanas. Vários membros da família Gupta estão em fuga, enquanto esforços estão curso para que sejam extraditados para a África do Sul.

Últimas Notícias