PR destaca industrialização para o combate ao desemprego

Angola precisa da industrialização com vista a criar empregos para os jovens e melhorar a vida das populações, disse hoje em Berlim, capital da República Federal da Alemanha, o Chefe de Estado angolano, João Lourenço.

Falando em conferência de imprensa, após um encontro com a chefe do Governo alemão, Angela Merkel, o Presidente angolano reafirmou a necessidade de se atrair o investimento germânico em todos os domínios, para Angola beneficiar do potencial que este país europeu possui.“Precisamos levar a industrialização (para Angola) com vista à criação de empregos para os jovens e melhorar a vida das populações. E a Alemanha tem um potencial e, por isso, há a necessidade para atrair o investimento alemão em todos os domínios”, sublinhou João Lourenço.

O Presidente angolano voltou a frisar a necessidade do investimento nas áreas da indústria do ferro e do aço, das infra-estruturas do turismo e também da defesa, onde os alemães poderão contribuir quer no fornecimento de embarcações e material electrónico quer na formação, para o controlo da fronteira marítima do país.O Estadista angolano, que manteve um encontro no quadro da vista de dois dias que leva a acabo neste país europeu, disse ter abordado com a sua anfitriã Chanceler Angela Merkel vários assuntos ligados à cooperação entre os dois Estados.

João Lourenço disse ter aproveitado a ocasião para convidar a chefe do Governo alemão a visitar Angola.Respondendo a uma pergunta sobre a possibilidade de Angola ser afectada pelo surto do ébola que se regista na vizinha República Democrática do Congo, João Lourenço afastou tal eventualidade, porque, segundo disse, “Angola já pós a sua barba de molho”, numa referência a um dito popular.“Há um ditado popular que diz, quando a barba do seu vizinho está a arder ponha a sua de molho”, disse João Lourenço numa alusão à tranquilidade e às medidas de prevenção que o Estado angolano tem tomado em relação a esta endemia.

Por outro lado, ao responder a uma pergunta sobre o facto de estar a solicitar a cooperação militar com a Alemanha ao mesmo que mantém já com a China nesse domínio, realçou a importância do Estado angolano manter uma diversidade de parceiros para a cooperação, na medida em que, justificou, os países se relacionam com vários outros ao mesmo tempo.“Os laços de cooperação são sempre diversificados entre os países. Quanto mais relações, melhor”, sublinhou o Chefe de Estado angolano.