loader

Manuel Fernandes ‘Havia desrespeito e desprezo aos partidos na CASA -CE’

Manuel Fernandes, um dos vice-presidentes da CASA-CE, ontem, declarou a este jornal que os partidos políticos coligados da CASA- CE não estão a “cantar vitória” face ao acórdão emitido pelo Tribunal Constitucional (TC), porém, alegam estar abertos ao diálogo.

O político referiu que o acórdão 497/2018 do TC não pode causar divisões e desunião dentro da CASA-CE, alegando que, ao contrário do que se julga, o mesmo só veio clarificar uma base essencial para encontrar consensos, unidade e coesão, e para que os membros da coligação avancem rumo aos objectivos preconizados.

À opinião pública nacional e internacional, Manuel Fernandes esclareceu que os partidos políticos só chegaram a esse ponto porque o presidente da CASA-CE não proporcionou a abertura suficiente para um diálogo que levasse ao consenso em relação às propostas apresentadas pelos partidos lesados. Seguidamente, apelou ao diálogo aberto entre os integrantes dos partidos políticos e os membros independentes com o presidente da CASA-CE. “Antes do acórdão, o que se via era uma desunião total, era só desrespeito e desprezo aos partidos, no entanto, o acórdão veio clarificar as coisas”, considerou Manuel Fernandes.

Relativamente aos “independentes” da CASA-CE, que não integram partido algum e que se dizem injustiçados pelo TC, Manuel Fernandes referiu que não pretende assumir a postura dos outros, mas defendeu que, no espírito do estado democrático de direito, as normas que advêm da jurisdição devem ser respeitadas. “Eu não tenho nada a dizer sobre os injustiçados ou não, porque quem decidiu é o Tribunal Constitucional, eles representam a outra parte, mas nós estamos abertos ao diálogo porque a CASA-CE não é um instrumento de uns, é um instrumento de todos os angolanos”, enfatizou, acrescentando que os entendimentos só poderão ser alcançados por meio de um diálogo franco e aceitável.

Últimas Notícias