loader

Sexagenário frequenta pós-graduação para inspirar os jovens

 Aos 69 anos de idade, Elias Ngungula, considerado o mais velho entre os licenciados nos últimos quatro anos na província do Huambo, decidiu dar continuidade aos seus estudos, matriculando-se numa pós-graduação em Direito e Filosofia Política, com finalidade de inspirar os jovens a apostar na formação.

O sexagenário, que em Agosto recebeu, na cidade do Huambo, o seu diploma de conclusão da licenciatura em Ciências Políticas e Relacções Internacionais, após quatro anos de aprendizado no Instituto Superior Politécnico Sol Nascente, admitiu, quarta-feira, em declarações à Angop, estar motivado com este novo desafio académico.
Segundo ele, a pós-graduação, ministrada pelo Instituto Superior Politécnico Sol Nascente, em parceria com as Universidades Católica do Rio Grande do Sul do Brasil, de Lisboa e Carlos III de Madrid, lhe vai dar maior entendimento acerca da realidade socio-política do país e do mundo em geral.
Mesmo admitindo que nunca é tarde para estudar, Elias Ngungula afirmou que a sua maior motivação é tornar-se numa fonte de inspiração para as gerações actuais e vindouras, por reconhecer que a aposta na formação é a principal via para alcançar o desenvolvimento do país.
“Os estudos são bastante importantes, pois tornam os homens diferentes, com habilidades próprias para melhor interagir com os outros na sociedade e poder contribuir no desenvolvimento do mundo. Sem estudo, o homem equipara-se a uma pedra, que nem sequer tem noção da sua existência e do seu fim”, sublinhou.
Elias Ngungula, cujas propinas pagas durante a licenciatura ser-lhe-ão devolvidas, como reconhecimento da sua dedicação, disse, também, que o país precisa de quadros altamente qualificados, para enfrentar os desafios imediatos do progresso.
Por esta razão, defende a necessidade de mais investimentos no ensino superior, para melhor cumprir com a sua missão, sobretudo nos domínios da pesquisa e investigação científica.
“É preciso aperfeiçoar os elementos metodológicos e, sobretudo, na criação de um corpo docente qualificado e capaz de transmitir conhecimentos adequados”, recomendou o sexagenário, para quem a mal preparação dos professores nas instituições superiores constitui a principal causa do fracasso da qualidade de ensino desejada neste sub-sistema.
O entrevistado advogou, também, a necessidade de se construir um novo perfil do estudante universitário no país, por considerar que a postura dos actuais não satisfaz, referindo-se ao facto destes não marcarem diferença na sociedade.
Elias Ngungula, professor reformado, nasceu em 1949 na comuna do Sambo, município da Chicala Cholohanga, na província do Huambo. Na era colonial foi distinguido melhor aluno no ensino primário e no 5º ano.No curso de requalificação de professores teve a classificação de muito bom.

Últimas Notícias