loader

Laboratórios escolares podem chegar à Huila este ano

Os 14 laboratórios para escolas secundárias que o Governo provincial da Huíla encomendou à empresa Ciko Soluções, Gestão e Empreendimentos, orçados em KZ 199 milhões, 999 mil, 999 e 96 cêntimos, podem chegar à Angola nos próximos meses, segundo uma fonte de OPAÍS.

Texto de: Paulo Sérgio

O Banco de Poupança e Crédito (BPC) emitiu, no dia 14 de Agosto do corrente ano, o código Swift (usado nas transações interbancárias internacionais, como ordens de pagamento e transferências bancárias), autorizando o envio de 349 mil e 885 dólares para uma conta bancária da empresa Maesco, Inc, sedeada na cidade de Omaha, no Nebraska, Estados Unidos de América (EUA).

O documento a que OPAÍS teve acesso foi emitido em nome da empresa Soba Kilundu Empreendimentos (SU), titular da conta bancária para a qual Costa Inácio de Oliveira, sócio-gerente da Ciko Soluções, transferiu a maioria dos valores que lhe haviam sido confiados pelo Governo da Huíla para fornecer o referido material.

As duas empresas são propriedade de Costa de Oliveira, de 53 anos, que terá feito a movimentação de uma para outra, para que tal montante não estivesse envolvido num negócio que estava em vias de se concretizar. Solicitada a analisar o documento, uma funcionária sénior da área de pagamentos ao exterior do BPC confirmou a sua autenticidade, alegando que no sistema deste banco constava todo o expediente relacionado com o mesmo.

O importador, a Soba Kilundu, empresa sedeada no bairro Benfica, até 13 de Outubro do corrente ano, deve concluir a operação com a exportadora, a Maesco, no âmbito da factura proforma número MI-2018/0/-031. Porém, o documento fixa 22 de Setembro deste ano (2018), como a data para a última remessa, o que pode não ocorrer, uma vez que Costa de Oliveira encontrase em prisão preventiva, em que poderá permanecer por 45 dias, em cumprimento de um despacho da Procuradoria-Geral da República na Huila, de 5 de Setembro do corrente ano.

“Está tudo a depender da resposta do sub-procurador Hernâni Beira Grande ao pedido de alteração da medida de coação do empresário, de prisão preventiva para liberdade provisoria sob termo de identidade e residência”, declarou um dos familiares do arguido.

Os crimes de que são acusados

Pesa sobre o empresário o crime de abuso de confiança num processo em que foram constituídos arguidos presos o ex-secretário-geral do Governo provincial, António Ndasindondyo, o director do gabinete de Educação, Américo Chicoty, e o antigo delegado das Finanças na Huíla, Sousa Dala, que exerce o mesmo cargo no Huambo.

Últimas Notícias