refinaria deixa de produzir Jet-b por causa da conversão das turbinas da ENdE

Numa altura em que a reserva nacional de petróleo ainda não está definida, a refinaria de Luanda anuncia o fim da produção de Jet-B

A Refinaria de Luanda deixará de produzir, dentro de aproximadamente um ano, o Jet B, combustível para abastecer as turbinas termoeléctricas da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), revelou o director de operações da Sonangol Logística, Inocêncio Ganda.

O engenheiro justificou que o Jet B deixará de ser produzido porque a ENDE, a única instituição que o utiliza, está a fazer reconversão das suas turbinas para funcionar à gás e a gasóleo, daí a razão. Citado pela Angop, Inocêncio Ganda assegurou que o fim da produção do produto não causará alguma perda económica à empresa, pois é um dos combustíveis produzidos localmente e muito disponível. Inocêncio Ganda prestou essa informação no final de uma visita dos gestores do Instituto Regulador dos Derivados de Petróleo (IRDP) às principais instalações da Sonangol Logística.

Tendo em conta esta realidade, o Instituto Regulador de Derivados do Petróleo (IRDP) está a trabalhar com os operadores do sector petrolífero para definir qual será a reserva de segurança a ser definida como reserva estratégica, disse hoje o seu director, Albino Ferreira. Albino Ferreira, que dirige o IRDP há dois meses da sua entrada em funcionamento, fez essas declarações no final de uma visita às principais instalações da Sonangol Logística na província de Luanda.

Reserva de petróleo

Por outro lado, a reserva estratégica de petróleo do país ainda não está definida, em termos de quantidade e tempo de armazenamento. E, sobre essa questão, o administrador para a Área Comercial da Sonangol Logística, Dionísio da Rocha Júnior, disse, durante a visita ao Terminal Marítimo, que devem ser revistos os tempos de reservas estratégicas. Actualmente trabalham com um tempo de 15 dias de reservas, mas a determinação do horizonte temporal, segundo o gestor, carece de uma definição.

O responsável disse que no tempo do conflito armado havia si
do estabelecida uma reserva estratégica, mas neste contexto de paz não se definiu o seu teor. A Sonangol Logísitica tem uma capacidade de armazenamento flutuante de combustíveis de 335 mil metros cúbicos, correspondente a 48,3%, e 358 mil e 511 mil metros cúbicos em terra (51,7%) de todos os produtos.

Refira-se que a Sociedade Nacional de Combustíveis (Sonangol) é a empresa estatal que trata da exploração, produção e ao mesmo tempo é concessionaria, tarefa que deixará de exercer com a entrada em vigor, nos próximos tempos, da Agência Nacional de Petróleo e Gás, criada por Despacho Presidencial.