Isabel desiste de queixa-crime contra PCA da Sonangol

No âmbito da queixa crime apresentada “por mim” contra Carlos Saturnino, actual Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, pelas afirmações proferidas na conferência de imprensa da Sonangol, realizada no início deste ano, a empresária Isabel dos Santos garantiu ontem que “no actual contexto de febre político- mediática, decidi não alimentar mais a controvérsia, especialmente porque, depois de todas as minhas detalhadas explicações, tornou-se bastante claro e evidente para a opinião pública de que as acções levadas a cabo por Carlos Saturnino foram deliberadamente mal-intencionadas e cujas alegações são infundadas”.

A empresária e filha do anterior Presidente da República, José Eduardo dos Santos, salienta que a sua “decisão de não prosseguir com a queixa-crime do processo por difamação, tem por base o facto de a opinião pública estar suficientemente esclarecida quanto à verdade e de estarem restabelecidos os factos”. “Acredito que as várias entrevistas que concedi sobre este assunto, bem como os comentários públicos que tive oportunidade de emitir, foram bastante esclarecedores, no sentido de informar a opinião pública sobre a falsidade das acusações proferidas.

As suas acusações não passaram de alegações sem qualquer evidência factual, nem fundamentos, motivados apenas por uma vingança pessoal”, avançou. Segundo ainda uma nota atribuída à empresária, tornada pública ontem, 4 de Outubro, “os factos e as verdades sobre o meu exercício enquanto Presidente do Conselho de Administração da Sonangol foram por mim amplamente comunicados e provados, não havendo assim necessidade de dar continuidade ao processo”.