Porto Pesqueiro da Boavista regista descarga de mais de 25 mil toneladas de peixe diverso

A Empresa Portuária de Pesca de Angola (Pescangola, EP), gestora do porto pesqueiro da Boavista, registou de Julho a Setembro a descarga de 25 mil e 525 toneladas de pescado diverso, segundo informou nesta Sexta-feira, em Luanda, o seu administrador para a área técnica, José Nicolau

POR: Borges Figueira

Questionado sobre os recursos marinhos das águas marítimas angolanas, o responsável adiantou que, enquanto entidade gestora do porto pesqueiro da Boavista, a fauna marinha nacional encontra-se saudável, tendo em conta o número de embarcações, quer sejam industriais. quer semi-industriais, que atracam diariamente no cais. Nos últimos três meses, o porto pesqueiro da Boavista registou a atracagem de 150 embarcações industriais de que resultou a descarga de 24 mil e 600 toneladas de pescado diverso, capturado em águas territoriais angolanas. No que concerne às embarcações semi-industriais, esclareceu que o porto tem registado entre 45 a 65 toneladas dia de pescado.

Na ocasião, José Nicolau informou igualmente que a lota da Boavista trabalha a bom ritmo e conta com uma descarga de pescado diverso que ronda entre as 45 a 65 toneladas por dia. Paralelamente ao seu normal funcionamento, tem registado alguns constrangimentos no que concerne ao processo de descarga do peixe, causados pelos armadores de pescado com destaque para a falta de conversação por parte dos armadores das caixas de transladação do peixe, assim como a destruição das mesmas, além de outros comportamentos pouco abonatórios para o processo em si. Quanto à abertura da lota, a Pescangola investiu mais de 3000 caixas de descarga de pescado, sendo duas mil caixas com capacidade para 20 quilogramas e mil de 30 quilogramas. Durante a actividade da lota a Pescangola verificou que as caixas usadas pelos armadores estavam a ser danificadas de uma certa forma, enquanto outras estão a ser comercializadas no mercado informal.

“Alguns armadores devolvem as caixas já em estado avançado de degradação e sujas, razão pela qual a empresa decidiu que, doravante, os armadores deverão efectuar a descarga do pescado com as suas próprias caixas, de forma a melhorar o processo de descarga do pescado”, frisou. Por outro lado, desde a entrada em funcionamento da lota da Boavista, a Pescangola já perdeu cerca de mil caixas, facto que tem contribuído para os transtornos no processo de descarga das embarcações semi-industriais, uma vez que os armadores não se responsabilizam pela perda das mesmas. Durante o mês de Agosto, altura em que as embarcações semi- industriais passaram a efectuar as descargas, o cais registou entre 45 a 65 toneladas de pescado diverso por dia. Actualmente atracam diariamente no porto pesqueiro da Boavista entre cinco a sete embarcações semi-industriais.