Centenas de pessoas assistem ao funeral da jornalista búlgara assassinada

Centenas de búlgaros fizeram fila silenciosa numa igreja em Ruse na Sexta-feira para prestar as últimas homenagens a Viktoria Marinova, a jornalista de televisão cujo estupro e assassinato brutal chocou o país e desencadeou debates sobre a liberdade de imprensa.

O corpo da protagonista Marinova, de 30 anos, apresentadora de um programa de televisão local, foi encontrado num parque próximo ao porto de Ruse, no Danúbio, sua cidade natal, no Sábado. A Polícia disse que ela havia sido estuprada, espancada e estrangulada. Um homem búlgaro, Severin Krasimirov, 20 anos, foi preso na Alemanha por causa do assassinato, e as autoridades alemãs disseram que ele seria extraditado para ser julgado na Bulgária em breve. Promotores búlgaros disseram que nenhuma evidência indicou que a morte de Marinova estava relacionada ao seu trabalho. Um ataque aleatório e agressão sexual foram os motivos mais prováveis, disseram, embora ainda estivessem investigando todas as possibilidades.

No seu último programa, Marinova apresentou jornalistas investigativos e prometeu se engajar num trabalho semelhante, o que alimentou temores sobre a retaliação contra jornalistas que expõem a corrupção. Ela é a terceira jornalista a ser morta na União Européia dentro de um ano. Marinova, que deixou uma filha de sete anos, foi enterrada na ontem Sexta-feira no Cemitério de Ruse. Mais de 500 cidadãos Ruse, levando cravos vermelhos e brancos e coroas de funeral, reuniram-se no funeral na Catedral Sveta Troitsa (Holy Trinity). As pessoas que a conheciam falavam sobre a sua determinação, responsabilidade e gentileza, o seu trabalho de caridade e compromisso com causas sociais, como o apoio a crianças com deficiências e desvantagens, sobre as quais ela também relatou. “A morte de Viktoria é uma grande perda para toda a cidade”, disse Zornitsa Koleva, de 48 anos.

“Ela era tão gentil e ambiciosa ao mesmo tempo. Todos nós precisamos estar unidos e mostrar que faremos o melhor possível para impedir que isso aconteça novamente em Ruse”. Muitos também ficaram irritados com o terrível assassinato e pediram a sentença mais dura para o perpetrador. Na Sexta-feira, autoridades alemãs aprovaram a extradição de Krasimirov, dizendo que ele havia concordado com um procedimento expedito. Isso significava que ele deveria ser enviado para a Bulgária dentro de 10 dias. O suspeito disse à magistrados alemã que ele havia atingido uma mulher que ele não conhecia enquanto estava bêbado e drogado, mas negou a intenção de matá-la, estuprá-la ou roA sua mãe, no entanto, disse que ele havia dito que matou a jornalista. O assassinato de Marinova reviveu o debate sobre a extensão da liberdade de imprensa no estado do Mar Negro, classificado 111 em 180 países este ano num índice mundial de liberdade de imprensa compilado pela organização Repórteres Sem Fronteiras. A Bulgária também está em pior situação na UE em relação à violência contra as mulheres, segundo o Instituto Europeu para a Igualdade de Género.