Executivo vai ajustar subsídios aos combustíveis para o sector agrícola

Os subsídios aos combustíveis no sector agrícola vão ser ajustados em 2019, para permitir o desenvolvimento da actividade e a redução os custos

O Executivo pretende efectuar ajuste nos subsídios aos combustíveis para a classe agrícola e reduzir 20 a 30 por cento dos gastos realizados na execução da actividade. Esta ideia, segundo o director nacional da Agricultura, José Carlos Lopes da Silva Bettencourt, que discursava no Luena, sobre “A importância da agricultura familiar no Moxico, desenvolvimento agro-industrial e perspectivas”, foi apresentada e discutida em reuniões do seu conselho.

A redução do preço dos combustíveis para os agricultores do país é crucial, na óptica do director, pelo facto de a agricultura ser escolhida pelo Governo angolano para alavancar a economia.

A agricultura em Angola continua a registar vários constrangimentos, quer na tecnologia, produção, comercialização e políticas, assim como na facilidade de acesso à terra, água, energia, isenções fiscais e inputs para a produção agrícola.

No encontro, José Carlos Bettencourt apontou soluções para a agricultura, como a construção de fábricas transformadoras, unidades de montagem de máquinas agrícolas, produção de sementes, aumento na capacidade de armazenamento e de frio, melhoria das vias de comunicação, criação de centros de comercialização, feiras e mercados agrícolas.

Em relação à pesca continental e aquicultura, o director do Instituto de Desenvolvimento da Pesca Artesanal e Aquicultura, Nkossi Luyeye, que falou sobre o tema, explicou que constituem soluções práticas ao desafio de fornecer mais de 40 milhões de toneladas adicionais de peixe por ano, necessárias para satisfazer a procura global em 2030.