Casa de Segurança garante haver dinheiro para manifestantes

A Casa de Segurança do Presidente da República esclareceu ontem que a situação dos salários dos ex-trabalhadores da Brigada Especial de Limpeza, que se manifestaram na baixa de Luanda, está a ser resolvida pela entidade patronal, segundo a Angop.

Uma fonte da Casa de Segurança do Presidente da República disse que representantes dos ex-trabalhadores da Brigada Especial de Limpeza que, na manhã desta Quinta-feira, se concentraram, na baixa de Luanda, para reivindicar os seus salários obtiveram os necessários esclarecimentos da instituição sobre as razões por que ainda não foi cumprido o pagamento dos salários em falta na totalidade. A mesma fonte adiantou que dos 1.661 ex-trabalhadores foram pagos 649, restando 1012, porque não possuem ainda conta bancária e outros nem documento pessoal têm para a abertura da conta.

Por isso, concluiu a fonte, neste momento, estão todas as condições criadas por parte da antiga entidade patronal para honrar o compromisso, existindo, contudo, este impasse de natureza administrativa. Mais de 50 ex-trabalhadores da Brigada Especial de Limpeza da antiga Casa Militar do Presidente da República (hoje Casa de Segurança da mesma instituição) manifestaram- se nas imediações do Monumento do Soldado Desconhecido, em Luanda, exigindo o pagamento de indemnizações que dizem ter direito. Segundo Jorge Armindo, que falou à Angop em nome do grupo, em Fevereiro deste ano o ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, assegurou que já existia dinheiro para o pagamento, “mas até agora não houve qualquer