Kremlin: “Nós responderemos do mesmo modo se os EUA desenvolverem mísseis intermédios”

O Kremlin disse na Segunda-feira que a Rússia será forçada a responder pela mesma moeda se os Estados Unidos começarem a desenvolver novos mísseis depois de abandonarem um tratado histórico da época da Guerra Fria.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse no Sábado que Washington se retiraria do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, porque a Rússia estava a violar o pacto, provocando um alerta de medidas retaliatórias de Moscovo. O tratado, assinado pelo então presidente Ronald Reagan e pelo líder soviético Mikhail Gorbachev, em 1987, exigia a eliminação de mísseis nucleares e convencionais de curto alcance e alcance intermédio pelos dois países. O seu fim levantaria a possibilidade de uma corrida armamentista em espiral.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres na Segunda-feira que o movimento norte-americano tornaria o mundo mais perigoso e disse que a Rússia seria forçada a restaurar o equilíbrio militar se Washington abandonasse o pacto e começasse a desenvolver novos mísseis. “Esta é uma questão de segurança estratégica. Tais medidas podem tornar o mundo mais perigoso ”, disse Peskov sobre a retirada planeada dos EUA. O presidente russo, Vladimir Putin, disse repetidas vezes que o fim do tratado forçaria a Rússia a adoptar medidas específicas para proteger a sua própria segurança, disse Peskov. “Isso significa que os Estados Unidos não estão a disfarçar, mas está abertamente a começar a desenvolver esses sistemas no futuro, e se esses sistemas estão sendo desenvolvidos, então acções são necessárias de outros países, neste caso a Rússia, para restaurar o equilíbrio nesta esfera”, disse Peskov.

Houve um período de seis meses para os Estados Unidos se retirarem do tratado depois que Washington deu a notificação oficial de que estava a sair, ele disse, algo que ele notou que ainda não havia feito. Isso significa que a questão de a Rússia desenvolver os seus próprios novos mísseis de alcance intermédio – algo que Washington acusa de fazer de qualquer maneira – não era “por hoje ou amanhã”, disse ele. O conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton, deveria manter conversações com altos funcionários em Moscovo na Segunda-feira e se reunir com Putin na terça-feira. Peskov disse que a decisão de Trump de desistir do pacto seria, obviamente, assunto para discussão e que Moscovo estava a procurar uma explicação detalhada de por que Washington decidiu dar as costas ao tratado. Trump vai sair do tratado nuclear da época da Guerra Fria A Rússia negou as acusações dos EUA de que violou o tratado, disse Peskov, alegando que os Estados Unidos estavam minando o país. “Putin disse muitas vezes que os Estados Unidos de facto estão a tomar medidas que estão a corroer as condições deste tratado”, disse Peskov, referindose aos drones de ataque e sistemas anti-míssil capazes de destruir foguetes de curto e médio alcance.