Carta do leitor: Por favor, roubos de Fiscais, BASTA!

Saudações, caro director e equipa de trabalho deste prestigioso jornal. Tomo a liberdade de escrever para este jornal, com o fito de relatar um facto por mim observado precisamente no dia 15 do corrente, no Bairro 15 de Fevereiro, vulgo Fubu.

POR:Francisco João

Achava-me dentro de uma barbearia quando, através do reflexo do grande espelho, diviso uma carrinha com agentes da Fiscalização e da Polícia Nacional, o que talvez fosse normal. A minha preocupação subiu rápido quando notei que duas grandes máquinas, daquelas usadas para produzir gelados (no meu tempo era baleizão) estavam em cima da carrinha também. Pus-me a reflectir sobre o que teriam feito os proprietários das máquinas para lhes serem retiradas a tutela dos referidos meios. Bem vistas as coisas, estas máquinas não poluem, muito menos ocupam grandes áreas em caso de serem instaladas em frente da casa. Também pensei… se calhar não tinha alvará comercial…depois pensei nas senhoras que vendem o famoso gelado de múkua. De repente, no entanto, dei por mim a pensar em que país nasci e percebi que esses fiscais só vão atrás de objectos ou utensílios de valor, para depois se apoderarem deles caso o proprietário não seja capaz de pagar o que for pedido pelos fiscais. As perguntas que não querem calar são: numa altura em que foram prometidos meio milhão de empregos e não se vê esforço algum para alcançar este objectivo, será coerente este tipo de atitudes governativas? Numa altura em que as pessoas sobrevivem de pequenos negócios, faz sentido a Polícia e a Fiscalização terem esse tipo de atitudes? Pensamos que deveria haver mais sensibilidade da parte do “Quem de Direito” para compreender que este comportamento dos seus subordinados tira a capacidade de sustento a várias famílias. Esse famoso “Quem” tem mesmo de agir no sentido de se acabar com esta pouca vergonha!