Bolsonaro decidido a transferir embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém

O presidente eleito de Brasil, Jair Bolsonaro, reafirmou nesta Quinta-feira a sua promessa de campanha de transferir a embaixada do seu país em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, na esteira da decisão dos Estados Unidos.

“Como afirmado durante a campanha, pretende – mos transferir a Embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém. Israel é um Estado soberano e nós o respeitamos”, tuitou Bolsonaro. Numa conferência de imprensa na sua residência no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse: “Temos respeito com o povo de Israel, o povo árabe. Não queremos criar problemas com ninguém. Queremos fazer comércio com o mundo todo, buscar vias pacíficas para resolver problemas. Não queremos criar poeira para resolver problemas”.

Especialistas afirmam que a concretização dessa promessa poderá provocar represálias comerciais de países árabes, que são mercados importantes para as carnes brasileiras. Perguntado sobre o tema numa entrevista publicada nesta Quinta- feira pelo jornal israelita Israel Hayom, Bolsonaro respondeu: “Quando me perguntavam, durante a campanha, se faria isso quando fosse presidente, eu respondia ‘Sim, são vocês que decidem qual é a capital de Israel, não as outras nações’”. O primeiro-ministro israeliota Benjamin Netanyahu considerou a decisão “histórica”. “Felicito o meu amigo e presidente eleito do Brasil Jair Bolsonaro pela sua intenção de deslocar a embaixada brasileira para Jerusalém, um passo histórico, justo e animador” Netanyahu “muito provavelmente” comparecerá à cerimónia de posse de Bolsonaro em Brasília, informou à AFP uma fonte do governo israelita. Israel considera toda a cidade de Jerusalém como sua capital, enquanto os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como a capital do seu futuro Estado.

Para a comunidade internacional, o status da Cidade Santa tem que ser negociado entre as duas partes, e as embaixadas não devem ficar em Jerusalém enquanto não se chegue a um acordo. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rompeu em Dezembro de 2017 com décadas de diplomacia ao reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Desde então, o presidente palestino, Mahmud Abbas, pôs fim a todas as relações com o governo Trump. Depois dos Estados Unidos, Guatemala e Paraguai também transferiram as suas embaixadas, embora o governo paraguaio tenha voltado atrás nas últimas semanas, retornando a sua missão diplomática para Tel Aviv. Brasil e Palestina estabeleceram relações diplomáticas em 1975, durante o governo de Ernesto Geisel. Em 2010, sob a presidência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil reconheceu o Estado da Palestina nas fronteiras de 1967 e a delegação especial palestina em Brasília passou a denominar-se Embaixada do Estado da Palestina.