Editorial: Os números e a mesa

Subitamente, governadores provinciais e dirigentes locais da agricultura começam a debitar números sobre colheitas e previsões de colheitas para a nova época agrícola que deixam atónito qualquer cérebro pensante. São centenas de milhares de toneladas, em alguns casos com números superiores ao de populares, o que indicia uma fartura feliz. A partir desta época agrícola acaba a fome em Angola, é o que se pode depreender, aliás, é o que se deseja. Apenas fica por saber- se sobre a conservação, o escoamento, o comércio e a transformação de tanta produção. E, já agora, o que nunca é dito, em quanto ficarão mais ricas as famílias produtoras. Mas fica a certeza, pelo menos oficialmente, é pela agricultura que a economia se reanima, e talvez a felicidade das pessoas também, com a barriga cheia.