bad concede ajuda orçamental de 20 milhões de euros a Cabo verde

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) concedeu 20 milhões de euros a Cabo Verde como ajuda orçamental para o ano em curso, anunciou neste fim de semana o Governo cabo-verdiano. Em declarações à agencia caboverdiana de noticias (Inforpress), o secretário de Estado das Finanças, Gilberto Barros, revelou que o dinheiro já está na conta do tesouro do Estado de Cabo Verde desde Outubro último.

Acrescentou que o fundo é destinado ao reforço da competitividade e que vai ser utilizado, sobretudo, para apoiar as reformas das empresas estatais e realizar investimentos públicos. O BAD, de que Cabo Verde é membro, é um dos principais parceiros de financiamento do país, tendo, desde 1977, apoiado, até finais de 2017, mais de 65 projectos no arquipélago, com empréstimos e donativos estimados em 459,2 milhões de euros.

O Grupo de Apoio Orçamental (GAO) tem como membros o BAD, o Banco Mundial, o Luxemburgo, Portugal e a União Europeia. O Governo conta ainda, no decorrer deste ano de 2019, receber ajudas orçamentais de outras organizações internacionais, nomeadamente da União Europeia. Entretanto, Cabo Verde vai levar cinco projectos de privados para avaliação do BAD no Fórum de Investimento em África a ter lugar de 07 a 09 de Novembro corrente em Joanesburgo, na África do Sul.

A informação foi avançada à Inforpress pelo presidente da Câmara de Comércio Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS), Jorge Spencer Lima, que na ocasião indicou que só projectos nas áreas do turismo e da indústria, que reúnam todos os requisitos, beneficiarão de financiamentos directamente do BAD.

“O BAD tem essa vertente de valores mínimos de 30 milhões de dólares, mas os projectos que vão ser apresentados ultrapassam esse valor”, explicou Jorge Spencer Lima. Contudo, o representante da CCISS adianta que, para além do financiamento directo do BAD, esses projectos vão ter financiamento assegurado dos projectos privados dos países lusófonos, que vai ser lançado durante o fórum de Joanesburgo. Igualmente, vão ser realizadas reuniões B2B (‘business to business’) onde os interessados contactam eventuais promotores para financiarem projectos com parceiros e entrando no capital das empresas.

O Fórum de Investimento em África tem como principal objectivo encontrar projectos bancários e alavancar capitais, fazendo ligações com potenciais investidores interessados.

O Fórum de Investimento em África é uma das principais apostas do presidente do BAD, Akinwumi Adesina, para relançar o crescimento económico, fomentar o investimento privado em África e forçar o lançamento de reformas políticas que conduzem à melhoria do ambiente de negócios.

De acordo com fontes da instituição, o BAD espera avaliar durante o Fórum de Investimento em África, mais de 100 projetos, num total de 50 mil milhões de dólares norte-americanos.

Cabo Verde participa no evento com uma delegação estatal e do sector privado que deve ser encabeçada pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, que irá assinar o compacto dos países lusófonos, um pacote de assistência do BAD a todos os países africanos de expressão portuguesa.