Instituto Katangonji aprimora prática a técnicos, estudantes e voluntários

Para resolver uma das necessidades de muitos formandos e técnico das áreas de engenharias, uma equipa de engenheiros afectos à organização vias do Bem leva a cabo uma actividade de formação técnica, durante esta semana

Texto de: Alberto Bambi

O Instituto Superior Politécnico Katangonji, em parceria com a Vias do Bem Training, realiza, de cinco a 10 de Novembro, uma formação na área das engenharias com o objectivo de complementar com a componente prática a teoria.

A actividade formativa, que tem como público-alvo técnicos, estudantes e pessoas voluntárias em adquirir subsídios técnicos nas áreas das engenharias, debruçar-se-á fundamentalmente sobre prevenção, controlo e estabilização de ravinas, já que o fenómeno natural é considerado como um dos problemas com que o Governo se debate actualmente.

Por causa disso, locais da cidade de Luanda afectados com este mal, como são os casos do Zango, Via Expressa, Miradouro da Lua e CAOP de Viana, além de algumas zonas do Ramiros, estão contemplados como necessitados de intervenção urgente.

O responsável da organização Vias do Bem, Angelino Quissonde, assegurou que a equipa de engenheiros selecionada para ministrar o curso durante os cinco dias foi escolhida de forma criteriosa, de modo a dar respostas a situações referentes ao impacto que o fenómeno em causa cria noutros sectores.

“Isso justifica o outro padrão do público-alvo institucional que contempla governos provinciais, administrações municipais e distritais, bem como técnicos dos sectores da construção, telecomunicação e ambiente, além de funcionários ligados a energia e água”, esclareceu o engenheiro, tendo rematado que as ravinas afectam directa ou indirectamente todos os serviços.

Exemplificou com a situação de algumas estradas do país que têm sido encurtadas ou mesmo cortadas pelas ravinas, ao ponto de prejudicar a vida económica das populações, adiantando que se os governos locais tiverem técnicos preparados para prevenção, controlo e estabilização do fenómeno, se pode evitar grandes danos.

Sobre as zonas identificadas como de necessidade de intervenção urgente, asseverou que todas inspiram algum cuidado redobrado, principalmente as seis ravinas nas imediações da Via Expressa. Finalmente, o especialista espera que os docentes e estudantes do instituto anfitrião aproveitem ao máximo a formação, de forma a agruparem subsídios técnico- científico que lhes permitam ser úteis na resolução dos constrangimentos das administrações locais.