O fim da pastoragem malandra

Começa hoje a Operação Resgate. Nada a fazer, embora as autoridades tenham acusado o toque das críticas e, por isso mesmo, vindo a público suavizar um pouco o tom, explicando que afinal não se trata de perseguição às zungueiras, etc.. Tudo bem, mas quem se deveria explicar não era a Polícia. O anúncio inicial foi feito por políticos, eles que encaixassem também o “aviso” do povo. E mais ainda, quando se diz que a coordenação local será feita pelas administrações municipais. Enfim, a mesma confusão de sempre em termos de comunicação. Mas, já que a operação afinal é só de boas intenções, de “civilizar” outra vez os angolanos e ao mesmo tempo inibir o crime, e até, porque se falou das seitas e igrejas comandadas por vilões, era bom que boa parte da atenção das autoridades se fixasse exactamente na actividade religiosa. Sobre os pastores ladrões e violadores, barulhentos e obscurantistas, e também sobre a venda de aldrabices por via da televisão e pela rádio. Se é para moralizar, tem de se chegar até aí. Eu já vi polícias a urinar na rua, já os vi a atirar lixo para a rua, já os vi a transgredir as regras do trânsito, já os vi a pedir gasosa e também já vi esquadras que ficam às escuras à noite. Portanto, onde é que começa a moral de quem quer civilizar o outro e não é civilizado? Bem, o filme começa hoje.