A batalha contra o carvão é de todo o Mundo (*)

A poluição do carvão não tem fronteiras – não importa onde é queimada, a sua poluição afecta a todos nós.

Começa com a destruição local, mas acaba espalhando-se pela terra e pelo ar até chegar à nossa atmosfera, tornando o clima do nosso planeta mais quente e mais perigoso. As centrais de energia em Muğla, na Turquia, não são excepção e vêm causando destruição às comunidades locais há décadas, além de poluir o nosso planeta. Mas na semana passada, o povo de Muğla deixou claro o seu desejo: quer ser livre de combustíveis fósseis.

Aldeões perto do complexo de carvão Yatağan, em Muğla, tiveram as suas fotos projectadas em frente a uma das fábricas a carvão locais. A luta em Muğla é uma das que todos nós fazemos parte. Fique em solidariedade com o povo de Muğla, que está a resistir tenazmente ao carvão e a lutar pela justiça climática – envie-lhes uma mensagem de apoio. A acção simbólica na frente da fábrica a carvão em Muğla é dramática por duas razões: por um lado, os aldeões uniram-se para enviar uma mensagem depois de o Governo turco decidir estender a licença para as centrias de carvão operarem por mais 30 anos.

Em segundo lugar, a indústria de combustíveis fósseis tem um histórico de intimidar as pessoas que estão no seu caminho. Então, em vez de ficar fisicamente na instalação de carvão, os moradores decidiram ser criativos e projectaram as suas fotos e a sua chamada para um #FossilFree Muğla. A mensagem deles chegou poucos dias antes de um relatório abrangente sobre os impactos do carvão em Muğla ser divulgado, destacando factos que os aldeões sabem muito bem: o carvão envenena o solo e o ar, deixa as pessoas doentes com condições irreversíveis e impossibilita que as pessoas vivam com saúde e no caso de Muğla, os moradores veem as suas oliveiras centenárias morrerem a cada ano.

Mas o relatório também fornece dados chocantes sobre como extrair, transportar e queimar carvão está a tornar mais difícil para nós ficarmos abaixo de 1,5 graus, a fim de evitar um colapso planetário catastrófico. Com a vida das fábricas de carvão em Muğla a ser prorrogada por mais 30 anos, os aldeões não estão apenas em risco de deslocamento e sérios impactos à saúde. O nosso planeta também está em perigo. A luta em Muğla contra o carvão é uma que pertence a todos nós. Nenhum de nós está sozinho no combate à mudança climática. Este planeta é nosso único lar e as suas lutas pelo clima são nossas.