Bolsonaro e Israel, uma relação político-religiosa arriscada para o Brasil

Ao anunciar a transferência da embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém, o Presidente- eleito Jair Bolsonaro respondeu às expectativas das influentes igrejas evangélicas, sua base de sustentação, correndo o risco de uma ruptura com uma política de mais de meio século do Itamaraty.

Seguindo os passos do Presidente americano Donald Trump, de quem já se disse um admirador, o futuro chefe do Executivo brasileiro corre o risco de isolar o país diplomaticamente, expondo-o a represálias comerciais de parte dos países árabes, grandes importadores de carne do Brasil. “O Brasil tem uma posição histórica naquilo que a gente chama solução de dois Estados [para Israel e a Palestina] e esta decisão pode lançar todos esses esforços ao lixo”, avalia Guilherme Casaroões, cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

A anexação de Jerusalém oriental por Israel, após a guerra de 1967, nunca foi reconhecida pela comunidade internacional, para a qual o estatuto da cidade santa deve ser negociado pelas duas partes e as embaixadas não devem instalar-se ali enquanto não se chegar a um acordo. O Governo brasileiro sempre seguiu essa directriz, mas o posicionamento de Jair Bolsonaro poderia colocá-la em xeque. “É motivo de respeitar uma nação soberana”, declarou o Presidente- eleito em entrevista à TV Bandeirantes na Segunda-feira. Na Terça-feira, ele parecia hesitar, ao declarar que a transferência “ainda não foi decidida”, lançando dúvidas sobre o sua determinação acerca de uma medida tão polémica.

Baptismo no rio Jordão

A transferência da embaixada teria, antes de mais nada, uma motivação religiosa para Jair Bolsonaro, eleito a 28 de Outubro com 55% dos votos, em parte graças ao apoio activo das igrejas evangélicas neopentecostais, que reúnem milhões de fiéis. “Os evangélicos mais conservadores não colocam em questão, não relactivizam nenhuma actitude de Israel. Qualquer decisão, qualquer medida, há o pressuposto de que tem a legitimidade para fazer, como povo escolhido”, que deve ser defendido custe o que custar, independentemente da atitude dos seus dirigentes, explica Ronilson Pacheco, teólogo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

“É uma leitura extremamente literal da Bíblia, sem fazer qualquer reflexão de contexto, de história”, acrescentou. Os neopentecostais brasileiros seguem os preceitos do sionismo cristão, corrente segundo a qual o retorno dos judeus à Terra Santa e a criação do Estado de Israel, em 1948, segue uma profecia bíblica que anuncia o retorno do Messias. “Nos templos, há muitos símbolos litúrgicos do judaísmo, como o candelabro ou a estrela de Davi, e alguns pastores até usam o kipá “, acrescenta Ronilson Pacheco. O próprio Jair Bolsonaro, casado com uma evangélica, foi a Israel em 2016 para ser baptizado por um pastor nas águas do rio Jordão.

Tecnologia militar

Mas a religião não é a única motivação para Bolsonaro transferir a embaixada para Jerusalém, um anúncio que agradou ao premeiro- ministro israelita, Benjamin Netanyahu. “Tem um valor simbólico para ele, pela sua relação com a comunidade evangélica, e também casa com uma revisão da tradição da política externa brasileira, mais globalista, multi-lateralista”, explicou Mónica Herz, professora associada do Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio. Para ela, o mimetismo com Donald Trump se aproxima a “um alinhamento com o Governo americano, coisa que não fizemos nem durante a ditadura militar”. Ex-paraquedista do Exército, Jair Bolsonaro é conhecido justamente pela nostalgia do regime militar, que comandou o país entre 1964 e 1985. A aproximação com Israel também se deve ao fascínio do Presidente pela tecnologia de ponta do Exército israelita. Um dos seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro, e o governador eleito do Rio, Wilson Witzel, devem visitar o país em breve para comprar drones de ataque, que poderão ser usados pelas forças de ordem na luta contra os narcotraficantes.

“Anúncio de campanha”

Mas para Guilherme Casarões, “o Brasil teria condições de se aproximar dos EUA e de Israel independentemente de transferir a embaixada” de Tel Aviv para Jerusalém. Membro da comissão de Relações Exteriores do Congresso, o senador Ricardo Ferraço, considerou recentemente que Bolsonaro fez esta promessa de forma precipitada, sem medir as consequências. A Câmara de Comércio árabebrasileira declarou a sua preocupação, enquanto o Brasil é o primeiro produtor do mundo de carne halal (cujo consumo é permitido aos muçulmanos). O chefe da representação palestiniana no Brasil, Ibrahim Alzeben, declarou à AFP esperar que a deslocalizção da embaixada não passe de um “anúncio de campanha”.