Criada plataforma de apoio às mulheres empreendedoras

A iniciativa faz parte de um conjunto de actividades que vão decorrer em Luanda em celebração ao dia Global da Mulher Empreendedora (WED), cujas comemorações o nosso país acolherá pela segunda vez consecutiva.

Em saudação ao Dia Global da Mulher Empreendedora, será lançada, no próximo dia 17 deste mês, em Luanda, durante a conferência sobre o “impacto socioeconómico da mulher no mundo de negócios”, o projecto “Mwika”, uma plataforma social que visa apoiar as mulheres angolanas no desenvolvimento de seus negócios, de forma a torná-las fortes e independentes dentro da sua área de actuação.

De acordo com Lúcia Fernandes Stanislas, coordenadora do projecto, pretende-se, com a iniciativa, congregar as mulheres numa plataforma única onde, em função da sua área de actuação, venham a ser apoiadas de forma a torná-las dinâmicas e visionárias nas actividades que desempenham. A iniciativa faz parte de um conjunto de actividades que decorre em Luanda, em celebração do Dia Global da Mulher Empreendedora, cujas comemorações o nosso país acolhe pela segunda vez consecutiva, com uma ampla discussão e abordagem centrada na promoção da mulher no mundo dos negócios.

Tal como em Luanda, Lúcia Fernandes Stanislas fez saber que actividades do género serão realizadas em mais de 140 países, todas focadas no incentivo das mulheres líderes, inovadoras e empresárias, no impulsionamento do crescimento económico e na promoção das comunidades locais. Porém, por ser a segunda vez que Angola acolhe os comemorações deste dia, a organização procura trabalhar com vista a mostrar à sociedade o impacto socioeconómico da mulher no mundo dos negócios, de forma a mobilizar o sector público e privado, bem como os fazedores de opinião da sociedade civil sobre o apoio que as mulheres precisam para seguirem o seu caminho de forma independente.

Um movimento influenciador de crescimento Durante a conferência serão criados grupos de trabalho que irão manter contactos e desenvolver tarefas em prol da promoção da mulher no mundo dos negócios. “Com isso, acreditamos que estamos a causar um bom impacto, uma semente lançada no coração de muitas mulheres que, consequentemente, irá impactar sobre a sociedade angolana um movimento influenciador do crescimento socioeconómico”, assegurou. Para Lúcia Fernandes Stanislas, o sector dos negócios exige um certo jogo de cintura, que impõe firmeza, gentileza, perspicácia e audácia que, em regra geral, definem-se como características peculiares das mulheres devido à sua paciência e capacidade de articulação.