Sem pressas

A UNITA parece ter aprendido a sua lição e mudou, claramente de estratégia. Digamos que está quase calada, à espera de alguma coisa que todos sabemos qual é. Os maninhos parece terem percebido que a caminhada para o poder não tem de ser feita às pressas. Isto está estampado no novo discurso, até no tom do discurso dos seus dirigentes. Ontem ouvi Alcides Sakala e não pude deixar de reparar no refinamento do discurso. Ele falava do Congresso da JURA, o braço juvenil do seu partido. Aliás, este congresso tem ele próprio alguma coisa a notar: por exemplo, a estratégia de comunicação foi bem montada, o elevado número de concorrentes, oito, e o facto de entre eles haver uma mulher, acabou por chamar a atenção da imprensa. É verdade que os jornalistas não estiveram em todos os encontros dos oito com os seus eleitores, mas deu para perceber que as mensagens cá para fora foram dirigidas para membros da organização e para a juventude angolana. Praticamente não houve ataques ao rival directo, quem no entanto, é observado à distância, à espera de alguma coisa. O MPLA e a JMPLA não podem deixar-se ficar sozinhos no meio de uma conjuntura tão delicada, precisam de um inimigo, porque, como diz o outro: “se me deixam sozinho se faço mal eu mesmo”.