Amnistia Internacional retira prémio de “consciência” a Suu Kyi de Mianmar

A Amnistia Internacional retirou o seu mais prestigiado prémio de direitos humanos de Aung San Suu Kyi, acusando a líder de Mianmar de perpetuar os abusos aos direitos humanos, por não se manifestar sobre a violência contra a minoria muçulmana rohingya.

Uma vez saudada como uma campeã na luta pela democracia, Suu Kyi foi destituída de uma série de honras internacionais pelo êxodo de Rohingya que começou em Agosto de 2017. Mais de 700.000 membros do grupo, na sua maioria sem pátria, fugiram pela fronteira ocidental de Mianmar para o Bangladesh, depois que as forças armadas de Mianmar iniciaram uma operação em resposta aos ataques insurgentes de Rohingya contra as forças de segurança.

Investigadores da ONU acusaram os militares de desencadear uma campanha de assassinatos, estupro e incêndio com “intenção genocida”. O Governo de Suu Kyi rejeitou as conclusões como unilateral e disse que a acção militar estava envolvida numa operação legítima de contra-insurgência. O grupo internacional de direitos humanos nomeou Suu Kyi como recebedora do Prémio Embaixador de Consciência de 2009, quando ela ainda estava em prisão domiciliar pela sua oposição à junta militar opressora de Mianmar. Nos oito anos desde que foi liberta, Suu Kyi liderou o seu partido para a vitória eleitoral em 2015 e montou um Governo no ano seguinte, mas ela tem que dividir o poder com os generais e não tem supervisão sobre as forças de segurança.

A Amnistia Internacional disse num comunicado que ela não conseguiu falar e que “protegeu as forças de segurança da responsabilidade” pela violência contra os Rohingya, chamandoa de “vergonhosa traição aos valores que ela representava”. O secretário-geral da organização global de defesa, Kumi Naidoo, escreveu a Suu Kyi no Domingo, dizendo que o grupo estava a retirar o prémio, porque estava “profundamente consternado por não representar mais um símbolo de esperança, coragem e a defesa eterna dos direitos humanos”. Zaw Htay, principal porta-voz do Governo de Mianmar, não atendeu as ligações da Reuters em busca de comentários na Segunda-feira.

Em Março, o Museu Memorial do Holocausto dos EUA rescindiu o seu principal prémio de Suu Kyi e ela teve outras honras retiradas, incluindo a liberdade das cidades de Dublin e Oxford, Inglaterra, por causa da crise Rohingya. Em Setembro, o parlamento do Canadá votou a favor da retirada da cidadania honorária de Suu Kyi. Críticos pediram que o seu Prémio Nobel da Paz de 1991 também fosse retirado, mas a fundação que supervisiona o prémio disse que não o faria. A Amnistia Internacional também disse que Suu Kyi não condenou abusos militares em conflitos entre o exército e guerrilheiros de minorias étnicas no norte de Mianmar e o seu Governo impôs restrições ao acesso de grupos humanitários. O seu Governo também não conseguiu impedir os ataques à liberdade de expressão.