“Em Genebra fomos enganados, tenho a sensação de ter sido traído”

Felix Tshisekedi, chef de la délégation du Rassemblement aux négociations du centre interdiocésain, le 31/12/2016 à Kinshasa lors de la cérémonie de signature de l’accord politique. Radio Okapi/Ph. John Bompengo

Félix Tshisekedi, presidente da União para a Democracia e Progresso Social (UDPS), acredita que foi traído na reunião em Genebra (Suíça) durante as negociações sobre o estabelecimento de um candidato único para a Oposição nas eleições de 23 de Dezembro na República Democrática do Congo.

‘Fomos enganados, sinto que fui traído. Agradeço à minha base por me tirar de lá, porque queria honrá-la indo a essa história de candidatura comum. Mas eu não entendia o contorno da história, nem as intenções de uns e de outros”, disse Félix Tshisekedi numa entrevista Terça-feira, 13 Novembro, ao ACTUALITE. CD. Ele está muito satisfeito por se ter retirado rapidamente deste acordo que consagrou Martin Fayulu como candidato comum da Oposição. “Eu não quero voltar ao fundo do que aconteceu entre quatro paredes.

E dos quais nos apercebemos, infelizmente, mais tarde. Eu não direi mais. Mas se você me empurrar, eu direi (…). Eu não posso te dizer quantos amigos internacionais e nacionais me felicitam por retirar a minha assinatura. As pessoas ficaram feridas pelo acto que fiz em Genebra “, acrescentou Felix Tshisekedi Desde a sua retirada do Acordo de Genebra, Félix Tshisekedi e Vital Kamerhe continuam a denunciar o procedimento que levou à nomeação de Martin Fayulu como candidato comum ou seja, o voto em vez de consenso com base num critério predeterminado.