Juiz dos EUA repõe temporariamente o passe de imprensa da Casa Branca para Acosta da CNN.

Um juiz norte-americano restituiu, na Sexta-feira, temporariamente as credenciais da Casa Branca ao correspondente da CNN, Jim Acosta, que foram revogadas depois de uma conturbada entrevista colectiva com o presidente Donald Trump, dizendo que deveria haver um devido processo para limitar o acesso de um jornalista à Casa Branca. O juiz distrital Timothy Kelly, que está a ouvir a acção da CNN contestando a revogação, ordenou que a Casa Branca restaurasse o passe de imprensa de Acosta, enquanto o caso está pendente.

Casa Branca vai restabelecer temporariamente o acesso do repórter da CNN “Vamos voltar ao trabalho”, disse Acosta aos repórteres após a audiência. A CNN afirmou em comunicado que “aguardava uma resolução completa nos próximos dias” e agradeceu “todos os que apoiaram não apenas a CNN, mas uma imprensa americana livre, forte e independente”. A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Kelly, nomeada por Trump, não abordou as protecções da Primeira Emenda para a liberdade de expressão e a imprensa, mas concentrou-se numa cláusula do devido processo da Constituição dos EUA que prevê tratamento justo por meio de um processo judicial ou administrativo.

“Qualquer processo que tenha ocorrido dentro do governo ainda está tão envolto em mistério que o governo em discussão oral não pode me dizer quem tomou a decisão inicial de revogar o passe de imprensa de Acosta”, disse Kelly na sua decisão verbal.A Casa Branca revogou as credenciais de Acosta na semana passada numa escalada dos ataques do presidente republicano à mídia, que ele apelidou de “inimigo do povo”. No tribunal, os advogados do governo dos EUA disseram que não há direito da Primeira Emenda de acesso à Casa Branca e que Acosta foi penalizado por agir rudemente na conferência e não pelas suas críticas ao presidente.

O juiz disse que a declaração inicial da assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, de que Acosta foi penalizado por tocar num funcionário da Casa Branca na tentativa de remover o seu microfone era “provavelmente falso e pelo menos parcialmente baseado em evidências de precisão questionável”. Sanders acusou Acosta de “colocar as mãos numa mulher jovem que apenas tentava fazer o seu trabalho como estagiária da Casa Branca” e de impedir que outros repórteres fizessem perguntas na conferência de imprensa. Ela chamou o seu comportamento de “absolutamente inaceitável” e disse que o seu passe de imprensa da Casa Branca seria suspenso “até novo aviso”.