O cabeça de lista do MPLA às eleições gerais entra em cena no Sábado, na Huíla, onde tudo está a ser feito para que tenha um banho de multidão. Tido já pelos seus apoiantes como o próximo Presidente da República, vai igualmente inaugurar um hospital missionário cuja construção sempre apoiou.

João Lourenço, o cabeça de lista do MPLA às eleições deste ano, apresenta- se nesta qualidade, ao grande público, amanhã de manhã, num comício que presidirá na cidade do Lubango província da Huíla. Na segunda maior praça eleitoral do país a expectativa é grande. Isso mesmo foi adiantado em conferência de imprensa por João Marcelino Tyipinge, o primeiro secretário do MPLA na Huíla, onde o partido diz contar com mais de 600 mil militantes. Só no Lubango, a capital, são mais de 60 mil.

Tyipinge quer mobilizar o maior número possível de militantes, com o intuito de encher a praça Comandante CowBoy, onde se realizará o comício. Os municípios mais próximos do Lubango estão convidados a participar. Trata-se da Chibia, Humpata e Cacula. Mas de gente de fora não é tudo, Tyipinge disse contar também com uma delegação de alto nível da província vizinha do Cunene. Na Huíla, o MPLA venceu sempre as eleições, em 1992, “em clima de pré-guerra”, disse Tyipinge, obteve quatro dos cinco lugares de deputados eleitos pelo círculo provincial.

Nas eleições seguintes, em 2008 e em 2012, fi – cou com a totalidade dos lugares, 5. O objectivo agora é renovar o feito. E, para isso, o trabalho está a ser feito há muito tempo, “mobilizando os militantes e falando com as pessoas onde quer que estejam”, explicou. “A máquina está em movimento e em aceleração, já não pára, só abranda quando ganharmos”, finalizou.

Chuva dá tréguas

Ao longo da semana tem chovido todos os dias, quase ininterruptamente, mas dados do Instituto de Meteorologia apontam para uma aberta na manhã de Sábado no Lubango, altura em que está previsto acontecer o comício do MPLA para a apresentação do seu cabeça de lista aos militantes e aos eleitores. Segundo as previsões, as chuvas deverão voltar no fim da tarde, o que poderá ser depois de cumprido o programa de João Lourenço na província. Com efeito, depois do banho de multidão ao cabeça de lista do MPLA, o candidato à Presidente da República, segundo consta no programa oficial, deverá fazer uma entrega de ofertas a autoridades tradicionais, líderes de organizações rurais, femininas e juvenis, antigos combatentes e deficientes físicos.

Hospital do Toco

João Lourenço foi igualmente convidado a inaugurar o Hospita Missionário do Toco, obra orçada em USD 250 mil e que alberga equipamento calculado em um USD 1 milhão. OPAÍS soube que para a sua edfi cação, o padre Américo Costa, o promotor da obra, contou também com o apoio de João Lourenço, desde muito antes deste ser indicado como cabeça de lista do seu partido às eleições gerais e candidato a Presidente da República. Para servir uma população de 45 mil habitantes do todo, o hospital conta com serviços de gineco-obstetrícia, cirurgia, pediatria e medicina geral.

Tem 45 camas e deverá empregar 50 pessoas, maioritariamente do Toco, que estão já em formação. Outros apoios poderão chegar da Argentina e de Roma. Segundo o padre diocesano, há uma grande vantagem na localização do hospital, na margem da Estada Nacional 105 que liga a Huíla a Benguela e ao Norte do país. Além disso, o hospital poderá servir as populações mais próximas das localidades do Lubango, Cacula e Quipungo. “Este hospital vai ajudar a aliviar a pressão sobre o Hospital Central Dr. António Agostinho Neto, do Lubango, e vai trazer o apoio médico para mais perto das pessoas disse à Rádio Mais Huíla o padre Américo, que augurou que muitas pessoas, em caso de doença, deixem de ter como primeira opção a ida ao quimbanda. “Na verdade, o nosso trabalho vai ser mais para prevenir as doenças, estamos a formar gente para isso”, finalizou o Padre Américo.

Comentários

comentários