Em Luanda, as vendedoras de pescado a grosso do mercado informal do Asa Branca, ganharam na Segunda-feira, 09, um novo espaço para comercializar os seus produtos.

As comerciantes que anteriormente vendiam à beira da estrada do mercado passaram a desenvolver as suas actividades no seu interior, com mais segurança e higiene. A primeira fase do projecto de integração das comerciantesconta com um espaço para mais de 200 pessoas e um parque de estacionamento com capacidade para albergar cerca de 30 carrinhas de conservação do peixe, tendo sido entregue esta Segunda- feira pelo administrador do Cazenga, Nataniel Narciso, em alusão ao vigésimo terceiro aniversário do município. Durante a entrega do espaço, Nataniel Narciso disse que o objectivo é tornar o local num mercado de referência a nível de Luanda.

“Com este espaço, pretendemos transformar o mercado num local de referência, apesar que ainda haver muito trabalho a ser feito, mas o novo espaço vai permitir criar melhores condições de higiene e segurança para todos”, referiu. Actualmente, o mercado conta com mais de 2.250 vendedoras, algumas provenientes do antigo mercado Rock Santeiro, e inclui as áreas de pescado a grosso, venda de roupa de fardos, produtos de beleza, bebidas alcoólicas e outras bebidas. Por sua vez, o administrador do mercado do Asa branca, Ezequiel João, disse que este, nos últimos anos, teve um grande crescimento em termos de infra-estrutura.

“Para além dos serviços já existentes, o mercado conta também com uma óptica para atendimento público, a 6ª Conservatória de Registo Civil de Luanda, assim como uma agência do banco de Poupança e Crédito (BPC) que, entre outros factores, tem permitido que os utentes do mercado realizem operações bancárias sem sair do recinto”, explicou.

Vendedoras satisfeitas com o novo espaço

Num ambiente de alegria e festa, as vendedoras mostraram-se satisfeitas com o novo espaço. Antónia Francisco, uma das mais antigas vendedoras do mercado, referiu que o local já apresenta alguma melhoria e que, com o novo espaço, se sente ainda mais feliz, pois apresenta melhores condições de higiene e segurança em relação ao antigo. “Hoje o espaço é maior, é pavimentado em relação ao espaço da localização anterior”, explicou. Paula Manuel, vendedora do mercado há mais de três anos, entende que, apesar de o novo recinto estar em melhores condições, é necessário haver mais espaço para o estrado (um componente que serve de bancada para colocar as caixas de peixe).

“É um lugar bonito, mas deveria haver mais de um estrado para caberem as caixas de peixe”, disse. Por outro lado, explicou que as vendas têm sido favoráveis, pois consegue vender por dia mais de 200 caixas de peixe. Porém, reclama da subida do preço da caixa de peixe no Porto de Luanda. “Estamos a comprar a caixa de peixe no Porto de Luanda ao valor entre Kz 12. 000 e Kz 16.000 e só ganhamos por caixa Kz 500”, queremos também que os preços baixem”.

Comentários

comentários