Mesmo com as ausências de Djalma Campos do Konyasport da Turquia e de Manucho Gonçalves do Valladolid de Espanha, o grupo espera fazer um resultado positivo

Os Palancas Negras estão preparados para receberem a República Centro Africana (RCA) este sábado, às 15 horas, no Estádio da Tundavala, em partida referente a primeira jornada do grupo B de acesso ao CAN 2017 que o Gabão acolhe.

O estágio de quinze dias no palco da competição serviu para tirar ilações e corrigir táctica e tecnica­mente os sectores mais vulneráveis da Selecção Nacional orientada por Romeu Filemon.

Com o objectivo de começar com o pé direito, isto é, conseguir os três pontos em casa e ver uma luz no fundo do túnel, porque na segunda jornada enfrenta a República Demo­crática do Congo (RDC).

Em competições do género, não se pode desperdiçar pontos em casa, porque as contas finais podem complicar-se, deste modo os Palancas Negras e a equipa técnica querem evitar situações que fazem parte do passado.

Apesar de não ter histórico nas competições africanas, a equipa nacional não pode ignorar os centro africanos, que esta terça-feira es­calam o palco da competição com o mesmo objectivo, vencer.

Com as ausências do extremo Djalma Campos e do avançado Ma­nucho Gonçalves, Romeu Filemon conta com atletas que militam no Girabola, Campeonato Nacional, e no estrangeiro.

Na posição de Manucho Gonçalves do Valladolid de Espanha, o técnico poderá usar Gelson do 1º de Agosto, pelo facto de ter feito uma primeira volta a altura das encomendas.

Na prova doméstica, o atleta deu cartas e provou que com mais jogos internacionais poderá evoluir e, quiçá, ser uma peça incontornável para a manobra ofensiva da Selecção Nacional.

No lugar de Djalma Campos do Konyasport da Turquia existem várias opções, pelo facto de Job do Petro de Luanda e Ary Papel do 1º de Agosto terem sido chamados pelo seleccionador nacional na última convocatória.

Para criar dificuldades a defesa dos centro africanos, é provável que o jogador do 1º de Agosto seja titular, pois nos últimos jogos demonstrou mais responsabilidade na forma como abordava os lances.

Ainda assim, Romeu Filemon conta também com Dolly Menga, Clinton da Mata e Buatu, atletas no último jogo treino frente ao Progres­so da Lunda Sul fizeram a diferença em campo.

Para a distribuição das jogadas ofensivas, Gilberto, apesar da idade, terá a missão, sendo que o apoio dos seus colegas será incondicional, porque esteve bem nos quinze dias de preparação.

O defesa central do Rostov da Rússia, Bastos, garantiu mais tran­quilidade ao grupo, mas a última da hora o técnico chamou Pirolito do Interclube para ocupar o lugar de Gomito que está lesionado.

O adversário dos Palancas Negras já reconheceram o terreno, deste modo querem adaptar-se ao clima e tentar complicar o máximo os angolanos, por isso estão atentos a todos os jogadores que militam no estrangeiro.

Kilamba confiante

O técnico-adjunto da selecção nacional, José Kialmba, mostrou-se confiante com a adaptação dos atle­tas, apesar das baixas temperaturas que nessa altura do ano se fazem sentir nas terras altas da chela.

“Estamos Prontos. Vamos apro­fundar alguns aspectos mas acredi­tamos que a equipa está a adaptar-se à filosofia que o corpo técnico está a transmitir ao grupo”, afirmou o adjunto.

José Kilamba admitiu que não se forma uma equipa em duas sema­nas, mas vão continuar a trabalhar para incutir uma mentalidade ga­nhadora no seio dos jogadores, pois só a vitória interessa.

O técnico adjunto disse que não conhece o adversário, ainda assim é importante respeitar, porque actu­almente não existem equipas fracas, além de têm jogadores que militam no futebol francês.

Comentários

comentários