Numa operação policial, que teve a duração de dois meses, o Comando Municipal de Cacuaco recuperou 50 armas de fogo de diversos calibres, entre outros bens materiais apresentados ontem à imprensa.

Os efectivos da Polícia Nacional detiveram 156 supostos marginais, com idades compreendidas entre os 18 e 30 anos, que aterrorizavam a vida dos munícipes de Cacuaco, durante uma operação realizada de 6 de Outubro a 12 de Dezembro. O porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, Mateus Rodrigues, explicou que, entre os suspeitos, cinco foram detidos por posse ilegal de arma de fogo e por roubo de viaturas; um por violação e três por roubo de valores monetários. Explicou que entre os bens materiais apreendidos constam 50 armas de diversos calibres (AKM- 47 e pistolas) usados para cometer os delitos, e dez viaturas, sendo seis recuperadas e quatro apreendidas.

Os agentes da Ordem conseguiram apreender quatro motorizadas, dez quilogramas de estupefacientes, quatro aparelhos de som e três amplificadores utilizados em actividades causadoras de poluição sonora. Foram ainda apreendidas 200 livros didácticos da reforma educativa, medicamentos diversos contrafeitos, produtos de higiene e de cabelo feminino com prazo de validade expirado, vários utensílios domésticos e artefactos utilizados para o cometimento de crimes.

armasEnquanto director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Delegação Provincial do Ministério do Interior, Mateus Rodrigues apontou a quantidade de armas de fogo apreendidas como a principal preocupação da sua instituição, pelo facto de ser com as mesmas que são cometidos os crimes mais violentos. “Em função dessa preocupação, temos estado a realizar acções no sentido de apreender essas armas e retirá-las das mãos dos marginais”, afirmou. Já o comandante municipal de Cacuaco, superintendente José Amaro Franco, esclareceu que que os assaltos eram geralmente realizados à noite em toda sua área de jurisdição com a ajuda de armas de fogo.

Descreveu os bairros do Paraíso, Mulenvos e Kikovo como sendo os que registam o mais elevado índice de criminalidade. Apesar dos constantes cortes de energia serem apontados como os factores que facilitam as acções dos supostos marginais, o comandante garante que tal não pode servir de impedimento para que os seus efectivos os detenham. “Estamos preparados. Com ou sem energia, a Polícia está sempre presente para dar resposta às acções dos marginais e deixar a população tranquila”, garantiu.

Quadra festiva com medidas especiais

O inspector-chefe Mateus Rodrigues revelou, na ocasião, que além do plano provincial de segurança para a quadra festiva, há outro para Cacuaco, em atenção às especificidades locais. Realçou, entretanto, que estão previstas algumas medidas especiais, de acordo com os casos de criminalidade registados em cada zona deste município. “Esse plano contempla acções tendo em conta a especificidade de cada território, incluindo actos de especulação nos preços de produtos e serviços”. Mateus Rodrigues declarou que foram distribuídos meios náuticos para reforçar as medidas de combate à imigração ilegal, em particular nesta quadra festiva, tendo em conta que Cacuaco tem sido, a nível de Luanda, um dos municípios em que entram e circulam estrangeiros com bastante facilidade.

Comentários

comentários