O Secretário de Estado para o Comércio Interno, Jaime Fortunato, prevê efectuar em Março visitas à região Sul de Angola para trabalhos de campo, de forma a acompanhar a produção nacional.

A visita vai decorrer durante sete dias e abrangerá as províncias do Huambo, Huíla, Bié e Cuanza Sul para reunir com as cooperativas, transportadoras e responsáveis pelas infra-estruturas, de modo a que a cadeia alimentar funcione sem constrangimentos. Os contactos têm o objectivo de avaliar as infra-estruturas logísticas de apoio ao escoamento da produção na região do Centro e Sul de Angola, com realce para os Centros Logísticos de Distribuição (Clod), assim como caracterizar a capacidade de produção alimentar dessas províncias.

Segundo o titular da pasta do Comércio Interno, Jaime Fortunato, o corredor Sul de Angola sempre teve muito protagonismo no processo produtivo, por essa razão é fundamental salvaguardar essa região. “Estamos a trabalhar numa perspectiva do plano nacional da produção mercantil com produtos de produção nacional”, explica o dirigente Segundo Jaime Fortunato, a visita vai facilitar a interacção directa com os produtores nacionais e permitirá ainda a redinamização do sector, assim como a diversificação dos produtos.

“Temos alguns problemas estatísticos, porque há situações em que os produtores fazem previsões elevadas e muito reduzidas no que toca à produção”, explica. Segundo o responsável, o Ministério do Comércio vai intensificar o trabalho com os produtores para acompanhar as necessidades de logística e comercialização dos produtos. “Somos a parte final da cadeia produtiva, no entanto, é essencial interagir com os produtores para articular diferentes sectores fundamentais de política e estratégia de produção, tal como a agricultura, a economia, órgãos sociais, associações dos camionistas e transportadores de carga para assegurar a fluidez de oferta sem o risco de continuidade ao longo da cadeia, desde a base até ao final da cadeia”, reiterou.

O responsável afirmou também que os trabalhos de campo permitem constatar a realidade da produção nacional, para que, desta forma, se dirima a “contradição de opiniões” existente entre os responsáveis de grandes superfícies comerciais e os produtores nacionais. A delegação integrará chefes de departamentos, técnicos da Direcção Nacional do Comércio Rural e Empreendedorismo e da Direcção Nacional de Infraestruturas Logísticas e Reserva Estratégica. O PAPAGRO é um dos maiores programas traçados pelo Executivo para elevar os níveis de produção agro-pecuária e gerar excedentes, com vista a viabilizar o Plano Nacional de Desenvolvimento (PND).

Comentários

comentários