Os ministros da Saúde, Luís Gomes Sambo e das Finanças, Archer Mangueira, deslocam-se hoje ao município do Soyo para constatar a gravidade do surto de cólera que eclodiu naquela circunscrição administrativa.

O secretário de Estado das Águas Luís Filipam da Silva faz parte da delegação ministerial que deverá analisar com as autoridades locais e com técnicos ligados aos sectores das águas e da saúde a gravidade da situação. Numa nota de imprensa o Ministério da Saúde informou na última Sexta-feira ter sido detectado, desde Dezembro de 2016, um surto de coléra no município do Soyo, província do Zaíre, tendo sido registado até a presente data 92 casos suspeitos e cinco óbitos.

A epidemia, segundo a nota “eclodiu” na parte insular do município e está relacionada com o consumo de água imprópria e deficiente saneamento do meio. As principais intervenções previstas pelo governo central são a vigilância epidemiológica activa como apoio laboratorial, o tratamento clínico de casos, o tratamento da água para consumo humano, a comunicação e mobilização social, e o apoio logístico em medicamentos e outros meios. No mesmo documento, o MINSA informou ainda terem sido notificados no país dois casos da doença Zika.

Esta doença é transmitida por picada do mosquito AEDES AEGYPTI, que também transmite a Dengue, Chikungunya e Febre-amarela. A infecção do vírus Zika durante a gravidez pode ser causa de uma anomália congénita do cérebro, conhecida por microcefalia (cabeça pequena). A Zika pode decorrer sem sintomas ou com febre ligeira, dores musculares, articulares e cansaço.

O MINSA intensificou as medidas de vigilância epidemiológica activa em todo o território nacional e aconselha a população em geral, sobretudo as mulheres grávidas e em idade de procriação, a redobrar os esforços de protecção individual contra os mosquitos transmissores da doença. “As medidas gerais de preparação e resposta as epidemias estão em curso, para uma maior resiliência do nosso Sistema de Saúde e protecção da população em geral”, lê-se na nota de imprensa.

Comentários

comentários