A OPEP, Organização dos Países Exportadores de Petróleo, fixou hoje um limite à produção petrolífera dos seus membros: 32,5 milhões de baris de petróleo por dia, o que corresponde a um corte de 1,2 milhões de barris em relação à produção actual dos 14 membros.

Um limite que havia sido anunciado no final de Setembro, em Argel, quando os membros da organização se reuniram à margem do fórum internacional da energia.

Muitas dúvidas se colocavam a capacidade da OPEP chegar a um acordo quanto à fixação de um ‘tecto’ de produção, retomando assim, após oito anos uma política de intervenção directa sobre o mercado, procurando reajustar a oferta à procura.

O excesso de oferta de matéria-prima rondará 2 milhões de barris por dia, mas a adesão de outros grandes produtores, como a Rússia, irá subtrair ainda mais petróleo a um mercado que está encharcado do produto, o que levou a que os preços em dois anos caíssem de USD 120 para a casa de USD 30 em Janeiro deste ano.

Embora esta informação, veiculada pela Bloomberg, que cita dois delegados à reunião da OPEP, ainda não seja oficial, o preço do barril de petróleo disparou cerca de 8% com a sua divulgação.

Uma excelente notícia para Angola que inscreveu, no Orçamento do Estado para 2017, o preço de referência de USD 46 por barril. (notícia em desenvolvimento)

Comentários

comentários