A geração que se vai

A geração que se vai

Kundy Paihama, como todos os homens do seu tipo, é para amar ou não, talvez até para odiar, para alguns. Mas nunca para cair na indiferença. Estes são os homens que fazem a história. Marcam, para o bem ou para o mal . . .


Registe-se como Assinante ou inicie sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta