APROCAL diz que ‘cortes’ na subvenção foram para valorizar a premiação

APROCAL diz que ‘cortes’ na subvenção foram para valorizar a premiação

Interrogado pelo jornal OPAÍS sobre as razões dos cortes nas subvenções dos grupos de escalão menor, a direcção da APROCAL justifica as reduções alegando que estes foram feitos para se poder incrementar no valor destinado às premiações.

O secretário-geral da APROCAL, António de Oliveira “Delon”, disse que, face à escassez de patrocínios para o asseguramento dos prémios, foi preciso fazer um reajuste nos valores de subvenção para que não houvesse uma enorme disparidade nas verbas das consagrações entre as classes, já que a classe A era a única que até então tinha tudo salvaguardado.

“Nós temos a grande responsabilidade de melhorarmos os prémios porque desde sempre esta tem sido a grande luta, para melhorar a qualidade do Carnaval.

Neste sentido, houve a necessidade de reduzirmos os valores de apoio aos grupos e elevar o prémio final”, explicou.

Delon recomendou aos grupos a procurarem também outras formas de angariar receitas para os seus fundos para uma melhor preparação, tendo frisado que as administrações municipais e distritais têm também a responsabilidade de apoiar os grupos carnavalescos de suas circunscrições, no âmbito da promoção da cultura a nível local.

O responsável reiterou igualmente a necessidade de haver mais investimento e apoio dos eventos carnavalescos por parte do sector empresarial, precavendo que dentro de alguns anos o Governo poderá deixar de subvencionar os grupos e focar-se na organização e melhoria da premiação do Entrudo.

“Acredito eu que, daqui a mais uns anos, pode dar-se o caso de não haver mais subsídios aos grupos e o prémio aumentar substancialmente. Os grupos precisam aprender a ter outras fontes de rendimento”, defendeu.

Prontos para o arranque do Carnaval

Quanto aos preparativos para o arranque daquela que será a 445.º edição do Carnaval de Luanda, o porta-voz da APROCAL reiterou estarem a ser acauteladas todas as condições necessárias para a realização da maior festa cultural da cidade capital.

Para a presente edição, o Carnaval vai contar com o desfile de 33 grupos dos vários municípios e distritos da província, repartidos em 13 da classe A, 13 da classe B e 17 grupos da classe Infantil.

A abertura do espectáculo, de acordo com o programa da organização, cabe à classe Infantil, cujos 17 grupos deverão desfilar no dia 10, seguindo-se os grupos da classe B, que entram em acção no dia 11 e os intervenientes da classe A, a classe de honra, que entram em cena no dia 12, estando o último dia reservado para a divulgação dos respectivos resultados.