Mais de mil produtores envolvidos na cultura do arroz em Angola

Mais de mil produtores envolvidos na cultura do arroz em Angola

Luanda também entra na lista de produtores do cereal posicionando-se à frente de províncias como a Huíla e Lunda Norte

A produção de arroz no país é assegurada, actualmente, por mil e 244 produtores espalhados por todas as províncias do país, conforme os dados da produção nacional, do Ministério da Economia e Planeamento (MEP).

Com uma produção deste cereal acima das 25 toneladas por ano, a província de Malanje destaca-se entre os produtores com um total de 345 envolvidos, entre cooperativas e pessoas individuais.

Nesta província, o município do Lukembo é o centro da produção de arroz, onde todos os anos saem colheitas que são distribuídas na província e várias partes do país.

Na lista, o destaque recai também para a província da Lunda Sul que, actualmente, está com 222 envolvidos, sendo que o Bié e o Huambo vêm nas posições a seguir com 156 e 123 produtores, respectivamente.

Chama atenção na lista do MEP a província de Luanda que aparece com 51 produtores à frente, por exemplo, de províncias como Lunda Norte, Cabinda e Huila.

Recentemente, o secretário de Estado da Economia, Ivan Falcão, disse que Angola está apostada em tirar o máximo proveito possível dos seus mais de 50 milhões de hectares de terra arável.

A estratégia é enquadrada no Plano Nacional de Fomento da Produção de Grãos (PLANAGRÃO), no qual se prevê a preparação e exploração de 2 milhões de hectares, entre 2022 e 2027, para a produção de fundamentalmente grãos de arroz, milho, trigo e soja, e outros cereais, para a promoção da segurança alimentar no país.

O PLANAGRÃO é um plano quinquenal que irá mobilizar investimentos públicos e privados.

Prevê-se, ao longo dos próximos 5 anos (2023-2027), uma disponibilização financeira do Estado de 2 852 mil milhões de kwanzas, em duas componentes, sendo a primeira componente com mais de 1 178 mil milhões de kwanzas e a segunda componente com mais de 1 674 mil milhões de kwanzas.