Matala quer reduzir a importação de arroz na região sul

O município da Matala na província da Huila, pretende reduzir a importação de vários cereais com destaque para o arroz que é comercializado em algumas partes do país como Luanda, Namibe e Huíla

 

João Katombela,  na Huíla

 

A iniciativa é de um projecto privado chinês que investiu cerca de 10 milhões de dólares americanos  para a produção de arroz no município  da Matala.

Este projecto que colocou a sua primeira produção à mesa de muitos angolanos, está instalado numa área bruta de 514 hectares de terra aráveis, para a primeira fase de sementeira  cerca de 350 hectares serão semeados, sendo que até ontem,  25 hectares já tinham sido semeadas.

Para atingir os objectivos  o director do projecto denominado Olombi Agro-negócios, Zhaijianhua, disse que foram instalados equipamentos de ponta, com realce uma maquina que descasque com a capacidade de cinco toneladas por dia.

“Nós pretendemos aumentar a nossa produção por esta razão,  notamos que esta máquina ainda não responde as nossas necessidades, vamos adquirir uma maquina de descasque com uma capacidade de 25 toneladas por dia, tendo em conta as solicitações dos nossos clientes”.

O responsável,  informou que, na safra passada foram colhidas um total de 950 toneladas que abastecraem principalmente os mercados da Matala, Lubango e Luanda.

Segundo disse, a meta é atingir as 150 toneladas de arroz por cada safra de quatro meses, com vista a responder os objectivos do Governo angolano nos projectos de redução das importações.

O elevado preço dos fertilizantes tem vindo a causar algumas alterações nos custos do arroz produzido na Matala, por isso, o saco de 25 kilogramas está a ser comercializado no preço de Kz. 7 000,00.

A firma Olombi Agro-negócios está localizada na Castanheira de Peras, arredores da sede municipal da Matala, conta com cerca de 300 trabalhadores maioritariamente nacionais.

Para atender as necessidades do mercado do município da Matala e Lubango o projectos dispõe de cerca de 250 toneladas de arroz, das quais 50 já estão descascadas.