A discórdia entre Netanyahu e União Europeia sobre Jerusalém

Netanyahu espera que a maioria dos países da UE reconheçam Jerusalém como capital de Israel. UE diz que continuará a respeitar os acordos internacionais.

União Europeia e Israel não estão, pelo menos para já, em sintonia, enquanto o Primeiro-ministro israelita afirmou acreditar que a maior parte dos países da Europa acabará por reconhecer Jerusalém como capital de Israel. A chefe da Diplomacia europeia afirma que tudo fica como antes.

“Acreditamos que a única solução realista para o conflito entre Israel e a Palestina é a de dois estados com Jerusalém como a capital de ambos, o Estado de Israel e o Estado da Palestina ao longo da fronteira de 1967, esta é a nossa posição e nós continuaremos a respeitar o acordo internacional sobre Jerusalém”, afirmou Federica Mogherini, chefe da Diplomacia Europeia.

Benjamin Netanyahu afirmou que não só acontecerá este reconhecimento como as representações dos países em Israel serão transferidas para Jerusalém. “Eu penso que o presidente Trump colocou os factos directamente sobre a mesa. A paz é base-